O que é uma sugestão de pauta?

O que é uma sugestão de pauta?

Por Marianne Mitsui

Uma das principais metas do assessor de imprensa é divulgar o cliente na mídia. Isso porque a exposição nos meios de comunicação é fundamental para o crescimento de um profissional ou de uma empresa. Desse modo, a sugestão de pauta é o principal caminho para se alcançar a divulgação do assessorado.

Com o press release pronto, a sugestão de pauta pode ser realizada antes do disparo geral, sendo oferecida com exclusividade para um veículo específico, ou mesmo depois, como forma de monitoramento do material enviado (follow up). O importante é que a pauta seja direcionada para a editoria adequada e, em certos casos, é necessário ter um gancho para despertar a atenção do jornalista.

Ao sugerir a pauta é preciso ter em mente a relevância do assunto para a mídia para que, assim, a pauta tenha destaque na redação, que recebe milhares de sugestões diárias.

* Marianne Mitsui é Assessora de Imprensa na Race Comunicação.

Ficou interessado sobre o assunto? Clique aqui e veja mais informações sobre esse e outros serviços oferecidos pela Race Comunicação.

 

Gostou do artigo?

Assessoria de Imprensa versus Assessoria de Comunicação

Por Maira Manesco

Antes de qualquer outra informação… Sim, Assessoria de Imprensa e Assessoria de Comunicação são dois termos usados para diferentes atividades.

Apesar de possuírem denominação parecida, definem atividades distintas, por isso, costumam causar certa confusão aos leigos e também aos iniciantes profissionais da área. Em linhas gerais todos os assessores atuam administrando a informação entre empresa/cliente/produto e os seus stakeholders. Genericamente, tanto uma assessoria quanto a outra desempenham mais do que o simples papel de cuidar da imagem do seu assessorado.

A assessoria de imprensa é composta por jornalistas e relações-públicas, que têm como principal função ser o elo entre as organizações e os veículos de comunicação. Os assessores de imprensa devem conhecer as atividades, os projetos, as propostas e as ideias do cliente para, assim, elaborar estratégias de comunicação e sugerir pautas noticiáveis para a mídia. Devem ainda assessorar e divulgar eventos, montar os clippings de notícias com matérias sobre temas relevantes ao assessorado, e orientar sobre como executivos e colaboradores devem se relacionar com a imprensa, o famoso media training. O principal papel desempenhado por esta atividade é a divulgação.

Por outro lado, a assessoria de comunicação é formada por, pelo menos, um profissional de cada área da comunicação social, ou seja, jornalistas, publicitários e relações-públicas. O trabalho exercido por essa assessoria de comunicação é mais completo e aprofundado, por isso, o grupo de profissionais tende a formar o Departamento de Comunicação da empresa. Dentre outros itens, devem saber quais são os pontos negativos da organização e tentar apresentar meios para solucioná-los, além de criar um ambiente harmônico entre os colaboradores, desde o chão de fábrica até a alta administração.

Os assessores de comunicação precisam ainda ter conhecimento sobre as ações do Departamento de Recursos Humanos, saber direcionar as informações para os diversos públicos que abrange na comunicação interna e externa e ainda desenvolver campanhas e propagandas publicitárias.

Para estreitar o relacionamento com a mídia, em especial com os veículos-chave para a empresa, é importante contar sempre com o auxílio de uma agência de comunicação especializada em assessoria de imprensa.

Enfim, todas as organizações e profissionais devem estar cientes das diferenças entre as assessorias de imprensa e de comunicação, devem também saber da importância de ambas para o desenvolvimento da empresa em prol do sucesso.

* Maira Manesco é Assessora de Imprensa na Race Comunicação.

Ficou interessado sobre o assunto? Clique aqui e veja mais informações sobre esse e outros serviços oferecidos pela Race Comunicação.

Gostou do artigo?

Quem são os stakeholders?

Por Maira Manesco

Os stakeholders são os públicos de interesse de uma organização. São as partes interessadas e envolvidas voluntária ou involuntariamente com a mesma, onde há um objetivo específico de relacionamento, trazendo benefícios para ambas as partes.

Os públicos representam o objetivo maior no trabalho dos comunicadores, sejam eles relações-públicas, jornalistas ou publicitários, mas poucos desses profissionais dedicam-se à sua precisa categorização, explica Fábio França em seu livro Públicos: como identificá-los em uma nova visão estratégica.

Para auxiliar no mapeamento dos públicos e no reconhecimento de cada um deles, do ponto de vista da área de comunicação, os stakeholders são divididos em três graus de influência sobre a empresa: grau de dependência, grau de participação e grau de interferência.

• Grau de dependência: onde são identificados os públicos pelos quais a organização possui necessidade e que interferem diretamente na sua sobrevivência. Neste grau estão o governo, os funcionários, os clientes e os fornecedores.

• Grau de participação: onde são identificados os públicos pelos quais não há dependência por parte da organização, porém colaboram para a melhoria e o crescimento da mesma. São eles: redes de consultoria, prestação de serviços promocionais, redes sindicais, redes setoriais de comunidade, comunidades nas proximidades da empresa, entre outros.

• Grau de interferência: onde são identificados os públicos que podem interferir positiva ou negativamente na imagem da organização, que podem ser classificados em dois subconjuntos: rede de concorrência – empresas que trabalham no mesmo segmento da organização, e rede de comunicação de massa – veículos de comunicação que podem influenciar os públicos a respeito da organização.

O mapeamento dos stakeholders permite reconhecer com quais públicos a empresa se relaciona, qual o tipo de relação e expectativas geradas permitindo identificar quais merecem uma aproximação estratégica. É muito importante conhecer os stakeholders, pois quando bem trabalhados podem ser a chave para o reconhecimento positivo de uma organização.

Se a sua empresa precisa mapear os públicos de interesse? Clique aqui e peça uma consultoria de comunicação para sua empresa

Quem são os stakeholders?

Gostou do artigo?

A importância da comunicação para as empresas

Por Maira Manesco

Sabemos que o ato de comunicar é inerente a qualquer ser vivo. Desde a Pré-História, entre 500.000 A.C. e 18.000 A.C, quando os homens passaram a viver em sociedade, eles perceberam o poder e a importância da comunicação, então desenvolveram a linguagem fazendo isso por meio de infinitas formas – sons, gestos, cores, desenhos, mas o motivo sempre foi o mesmo: transmitir uma mensagem e ser entendido.

Hoje, não é possível reduzir a comunicação à transmissão de mensagens, ela é mais do que isso, é a criação de um ambiente comum entre dois lados que participam fornecendo e extraindo informações entre eles.

Com tantas mudanças na sociedade, saber comunicar tornou-se algo essencial para todos os indivíduos. E não somente para eles, as empresas também devem se preocupar com a comunicação, em especial com as informações que são transmitidas por elas mesmas.

Segundo dados publicados na Revista Valor Setorial – Comunicação Corporativa (edição especial do Valor Econômico), a comunicação empresarial está configurada como uma área estratégica dentro das organizações, ocupando 68% dos cargos de gerência e diretoria e com investimentos próximos a 10% no ano de 2015.

As empresas podem conversar com seus públicos de diferentes formas e utilizando diversas ferramentas, mas é imprescindível contar com o auxílio de um profissional de comunicação ou de uma agência especializada.

As principais formas para um relacionamento saudável e duradouro entre a empresa e seus públicos são:

Assessoria de Imprensa: É a ponte entre a empresa e os veículos de comunicação. Com isso, é possível conquistar visibilidade positiva e de confiança junto à sociedade, fortalecendo a imagem da empresa e a tornando referência no mercado.

Comunicação Interna: A gestão eficaz melhora o clima organizacional, ajuda a motivar os colaboradores que passam a confiar mais na empresa onde trabalham por aprofundar-se mais nos seus processos internos, por opinar e participar das decisões, além de reduzir os custos e aumentar a rentabilidade dos trabalhos.

Mídias Sociais: Empresas conectadas e engajadas com o mundo online tendem a possuir melhor relacionamento com clientes e fornecedores, transmitem melhor sua imagem e demonstram preocupação com a opinião de seu público.

É importante que a empresa encare a comunicação como uma aliada para os negócios, pois o bom relacionamento com seus públicos, interno e externo, assegura o reconhecimento perante a sociedade, valoriza os recursos e o potencial de seus colaboradores, e auxilia no fortalecimento da reputação. Ter uma comunicação empresarial feita de forma profissional pode ajudar nos negócios!

Ficou interessado sobre o assunto? Clique aqui e veja mais informações sobre esse e outros serviços oferecidos pela Race Comunicação.

Gostou do artigo?
Leia mais

Apresentando o funcionamento da assessoria ao novo cliente

Por André Ranieri

O entrosamento entre a agência de comunicação e o cliente é fundamental na hora de conquistar bons resultados. E para isso é imprescindível, logo que a parceria é fechada, que a empresa contratante entenda alguns pontos sobre uma assessoria. Dentre eles, a relação entre o assessor e o jornalista; como uma matéria é publicada; a importância da agilidade na aprovação dos materiais; e como tornar uma pauta interessante ao jornalista. Essa apresentação deve ser feita logo no início do trabalho, pois ela será determinante durante todo o processo.

Acompanhe a seguir alguns pontos fundamentais que devem ser apresentados ao cliente logo que a parceria é firmada:

 1.      Assessor x Jornalista

A relação entre o assessor de imprensa e o jornalista deve ser a melhor possível. O cliente precisa entender que na maioria das vezes o caminho para um bom relacionamento assessor x jornalista não é a insistência. A relação tem que ser construída aos poucos. Muitas vezes o assessor negocia por meses até conseguir emplacar uma única matéria.

 2.      Como uma matéria é publicada

O caminho até uma matéria ser publicada é longo. A assessoria de imprensa precisa conhecer muito bem o cliente, e saber qual é o foco que a empresa quer dar ao trabalho. Por isso, uma imersão deve ser feita logo no início da parceria. A partir daí, o caminho até a notícia chegar às bancas pode ser variado. Follow ups, press-releases e press-kits são as formas mais convencionais, e é importante que o cliente entenda estes processos, mesmo que de forma superficial. Também é fundamental destacar que o trabalho da assessoria é conquistar espaço nos veículos como notícia, e não como publicidade. Muitas empresas acreditam que é possível comprar espaço editorial nos meios de comunicação, mas esta prática, além de ilegal, não é adotada por agências de comunicação sérias.

 3.      Agilidade na aprovação

 A agilidade entre a elaboração do material, que será enviado à imprensa, e a aprovação junto ao cliente é fundamental para que a pauta em questão seja bem sucedida. Quanto mais rápido o material é aprovado (principalmente as pautas quentes), mais chances de repercutir. É fundamente que o cliente e a assessoria encontrem o “timing” certo para as aprovações.

 4.      O que é interessante ao jornalista

Qualquer tema pode ser trabalhado por uma assessoria de imprensa. Porém, cada assunto possui um potencial diferente do outro. O grande segredo para uma pauta ser bem sucedida é que ela tenha algo interessante e atrativo aos olhos do jornalista. É fundamental que o cliente entenda bem essa necessidade. Por exemplo, caso uma empresa automotiva queira aparecer em revistas de negócios, uma pauta abordando o crescimento da montadora no último ano é muito mais atraente ao jornalista do que uma pauta falando sobre o novo carro que será lançamento no próximo mês. Por outro lado, se o foco da empresa são as revistas automotivas, o lançamento do novo carro tem um potencial muito maior.

*André Ranieri é Assessor de imprensa na Race Comunicação

Interessado nesse assunto? Clique aqui e veja mais informações sobre esse e outros serviços oferecidos pela Race Comunicação.

Gostou do artigo?

Race Comunicação em expansão no mercado goiano

Por Lívia Caixeta

Falar em comunicação em Goiás pode ser considerado tabu. Estamos conversando de um mercado que ainda não conhece, ou não reconhece, serviços básicos de comunicação empresarial, como, por exemplo, assessoria de imprensa. Não por parte das empresas de comunicação, em grande parte competentes no que fazem, mas das empresas, que ainda se comunicam pouco com seus públicos de interesse e, em geral, têm medo de se aproximar da imprensa.

Por tudo isso, a proposta de manter um braço da Race Comunicação em Goiânia foi desafiadora. Há quatro anos a parceria com o jornalista Rogério Artoni, sócio da agência de jornalismo, em São Paulo, soou como algo inovador. Primeiro pela iniciativa de trabalho on line e compartilhado e, segundo, por ser um mercado extremamente fechado e de difícil penetração na capital goiana.

Tivemos a sorte de ter como primeiro cliente o Laboratório Teuto Brasileiro S/A. Uma empresa renomada e respeitada nacionalmente, que, sem dúvida, muito contribuiu para nosso crescimento tanto no mercado quanto profissional.  A partir deste primeiro contato enumeramos alguns pontos deficientes do mercado corporativo goiano.

Nosso grande obstáculo foi, e ainda é, fazer com que as empresas entendam o nosso trabalho e enxerguem nele uma grande oportunidade de crescimento. Nosso trunfo é a dedicação que temos em fazer um bom atendimento. Não medimos esforços para que o cliente e os jornalistas sejam atendidos de maneira personalizada e em seu tempo.

Hoje temos além da indústria farmacêutica, uma indústria de bebidas, um shopping e duas equipes ligadas ao automobilismo. Expandimos nossos serviços e temos como referência, além da assessoria de imprensa, o gerenciamento de conteúdo para redes sociais. Além de tantos outros como a editoração institucional e o planejamento estratégico de comunicação realizado com os departamentos de marketing de nossos clientes.

Em abril de 2012, demos o nosso maior passo até então. Deixamos de ser um “home office” para iniciar a estruturação de nossa sede. Nos estabelecemos em Aparecida de Goiânia, no Cidade Empresarial, um condomínio de empresas de diversos segmentos. Aproveito este post para convidá-lo para um café…. está servido?

* Lívia Caixeta é Assessora de imprensa na Race Comunicação

Interessado nesse assunto? Clique aqui e veja mais informações sobre esse e outros serviços oferecidos pela Race Comunicação.

Gostou do artigo?