Sem Categoria

comunicar

Criando maneiras de se comunicar em diferentes idades

Da infância a fase adulta, existem as mais variadas formas de se comunicar, especialmente quando o objetivo principal é alcançar um público com idades diferenciadas e propósitos similares. Vivemos em um mundo de avanços tecnológicos que ultrapassam barreiras jamais imaginadas. Dia após dia, somos bombardeados com informações que, muitas vezes acabam por não estar vinculadas com nossos interesses pessoais.

Graças a este enorme avanço, possuímos as mais variadas ferramentas para alcançar nosso público. Supondo então que o assunto tratado é Videogame, sabemos que não apenas de crianças vive a indústria dos consoles. Grande parte da renda vem de pessoas com mais de 22 anos de idade.

Com tamanha disparidade de idades, como se comunicar com um público tão diverso e apaixonado pelos games?

Ao contrário do que muitos pensam, as crianças e pré-adolescentes, possuem tamanho conhecimento e curiosidade podendo lidar com temas que adultos costumam trabalhar. A maneira como se executa a comunicação irá propiciar o entendimento em todas as idades. Hoje em dia, infográficos, tabelas e linguagens mais lúdicas e tecnológicas fornecem tudo o que uma criança de 10 a 14 anos necessita para estar a par de tudo que acontece no mundo dos jogos.

“Devemos lembrar que independente da escrita ser algumas vezes voltada ao mundo infantil (falando sobre vídeo game) o texto é jornalístico e retrata um acontecimento, um lançamento, algo que está surgindo no mercado.”

Vivemos em época de memes e muitas empresas hoje adotam esse estilo para se comunicar com o público da internet e televisão, até mesmo em revistas está presente este tipo de linguagem. E fora do âmbito dos videogames não é diferente, os cuidados necessários para se alcançar todo o público desejado demanda demasiada estratégia que perpassa os limites da comunicabilidade.

Mudanças na forma de escrita, bem como o conhecimento prévio do público alvo são características determinantes para uma boa comunicação. Esta “mexida” na estrutura da linguagem se da devido a construção de ideias do sujeito que produz o conteúdo para o público que, já possui conhecimento prévio sobre o assunto proposto. Quando se trabalha com certa ideologia, seja ela uma cultura tecnológica, o sujeito é afetado necessitando absorver maior conhecimento do que a criança, o pré-adolescente ou o adulto consome.

Ao produzir conteúdo para diferentes tipos de público utilizando os mais variados tipos de comunicação (mobile, impresso, digital) a criação necessita ser mais lúdica alcançando até mesmo públicos que porventura, desejam se aventurar no mundo do desconhecido.

A comunicação hoje necessita estar de mãos dadas com a criação, de novos conteúdos, novas formas de se comunicar via linguagem digital, propiciando assim sempre um interesse contínuo no público que acompanha o material proposto. E você? Já criou seu conteúdo e inovou a maneira de se comunica com seu público através de uma nova linguagem? Se precisa de ajuda com isso, entre em contato conosco!

 

Gostou do artigo?
Leia mais
ações de endomarketing

Ações de endomarketing para gerar engajamento

Atingir bons resultados não depende apenas de estratégias voltadas para promover o engajamento externo de sua empresa. Ações de endomarketing podem gerar engajamento e é fundamental pensar na melhor maneira de promover a capacitação de sua equipe e trabalhar a comunicação interna entre todos.

O endomarketing é essencial na atual realidade dinâmica em que estamos inseridos, visto que a praticidade na resolução de problemas e desafios são destaques nos serviços oferecidos. Ao optar por ele, a imagem da empresa tende a crescer no mercado e se destacar pela composição de equipe.

Como aplicar o endomarketing?

Para implementar esse novo sistema, é preciso ter em mente que o endomarketing não se restringe apenas às ações publicitárias internas, mas também conta com o engajamento do RH, com o papel de oferecer melhores condições aos funcionários e atender as suas demandas. Dessa forma, a proatividade encontrará um espaço mais saudável e equilibrado para desenvolver suas estratégias e planos de comunicação com os clientes.

Neste tipo de implementação, é com foco na percepção dos colaboradores sobre a empresa e de que forma os aproximar da organização que fará a diferença. Isso inclui traçar um plano que mostre que eles são essenciais para o desenvolvimento da empresa e crescimento no mercado, gerando maior motivação e gosto pela área de atuação.

Outro ponto é oferecer constantemente espaço para que seus funcionários se expressem e tenham voz dentro do ambiente de trabalho. A exposição de ideias e possíveis discussões sobre a dinâmica de trabalho geram frutos promissores para a empresa, de forma a refletir nos resultados positivos, como prospectar um cliente a mais ou tornar fiéis os que já são parceiros.

Aliado a isso, um aspecto que diferencia uma empresa de sucesso com as demais, é o investimento no todo. Propor atividades e oferecer palestras e cursos de atualização na área de trabalho demonstra a preocupação da organização em lapidar suas fontes de crescimento. O treinamento aumenta a qualificação e promove maior engajamento e construção de futuros líderes.

Ao aplicar essa política mais aberta e responsável, é preciso que haja pesquisas de satisfação para identificar quais pontos precisam ser melhorados e quais atingiu-se um ápice maior de produtividade. Essa análise permite que novas estratégias sejam formadas e calcular o índice de crescimento da empresa em alguns meses.

Aplicando essas estratégias não só seus colaboradores se sentirão motivados, como também irá criar confiança entre funcionário-empresa. Dessa forma, será possível notar uma melhora do clima corporativo e otimizar os resultados alcançados.

Por Ana Luiza Antunes

Gostou do artigo?
Leia mais
As diferenças entre endomarketing e comunicação interna 1

As diferenças entre endomarketing e comunicação interna

Por Daniela Dalio

Endomarketing e comunicação interna ainda são comumente confundidos e, por muitas vezes, ainda interpretados como sinônimos. Apesar de terem como foco o mesmo público – colaboradores, existem diferenças entre os dois. Basicamente, a comunicação interna tem a finalidade de informar, enquanto o endomarketing tem o objetivo de engajar.

As estratégias de comunicação interna envolvem todas os canais que possam informar aos colaboradores as ações da companhia, como murais, jornais internos, intranet, TV corporativa, entre outros. Já o endomarketing prioriza ações que interajam com o funcionário, de modo a engajar, motivar, fidelizar, como campanhas, eventos corporativos, palestras, festas, e-mail marketing.

A importância de uma comunicação interna bem estruturada

Podemos dizer então que as diferenças estão nos objetivos e práticas de cada atividade. Enquanto a comunicação interna tem ações mais objetivas sobre informações institucionais, o endomarketing requer um planejamento muito maior, pois lida diretamente com a cultura de uma organização.

Uma ação bem elaborada de endomarketing vai fidelizar os profissionais e torna-los consumidores e defensores da marca. Também é uma ótima estratégia adotada pelas companhias para reduzir o turnover. Vale lembrar que a comunicação interna e o endomarketing são estratégias complementares e devem ser aplicadas em conjunto para que a companhia atinja resultados mais satisfatórios na comunicação com seu profissional.

 

Gostou do artigo?
Leia mais
De que forma a comunicação interna pode ajudar no engajamento de funcionários 2

De que forma a comunicação interna pode ajudar no engajamento de funcionários

Por Filipe Andrade

Planejar a comunicação de uma organização não pode e nem deve ser pensar em algo apenas externo, direcionado apenas ao público final (consumidores), por exemplo. O público interno importa. E muito!

Afinal, de que adianta ter uma imagem positiva junto ao público externo, se ela não pode ser referendada pelos funcionários da organização? É esforço sem resultado.

O público interno é fundamental para a imagem da organização, pois eles são, de certa forma, porta-vozes da instituição que fazem parte. E a percepção deles tem muito a dizer.

Assim, para garantir que essa imagem seja positiva, a comunicação interna é imprescindível para, no primeiro momento, informar o colaborador. Lembre-se: ele PRECISA ser o primeiro a saber de qualquer novidade.

A comunicação interna tem, também, a função de engajar o colaborador. Funciona mais ou menos assim: ao informar, em primeira mão, algum novo produto, por exemplo, a organização valoriza o público interno e reforça nele o sentimento de pertencimento à organização. Precisa, portanto, ser estabelecida uma relação de confiança.

As ferramentas para uma comunicação interna efetiva são inúmeras: jornal mural, house organs, TV’s corporativas, informativos diários enviados por rede interna, programas de interação, etc.

Cabe ao gestor pensar em uma estratégia que seja mais adequada ao seu negócio, e com maior alcance, e desenvolver uma mensagem que vá ao encontro das necessidades do público.

Gostou do artigo?
Leia mais
Produção de conteúdo customizado e inbound marketing 3

Produção de conteúdo customizado e inbound marketing

Por Alan Mariasch

Foi-se o tempo em que os grandes veículos detinham o monopólio da comunicação. Além disso, a tradicional publicidade, em que as empresas que desejavam aparecer para seus consumidores pagavam quantias fabulosas para veicular seus anúncios, começa a perder sua eficácia. Precisamos estar atentos para uma das principais tendências da comunicação corporativa para os próximos anos – a produção de conteúdo customizado.

Paulo Nassar, presidente da Aberje (Associação Brasileira de Comunicação Empresarial), fala sobre o conceito da “guerra de narrativas”, que nos ajuda a compreender essa nova etapa da comunicação entre as organizações e seus públicos. Essa guerra, em suas palavras, é “como uma disputa contínua pela atenção das pessoas numa época de abundância de informação”. Isso eleva a comunicação empresarial a um patamar ainda mais estratégico: se num primeiro momento ela era usada com o objetivo de dar ordens aos funcionários e depois como maneira de ampliar as vendas, agora ela tem a missão de constantemente divulgar as narrativas com os valores da organização, dialogar com os diversos atores sociais e de legitimar o posicionamento da empresa, num mundo cada vez mais digital, interligado e complexo.

Nesse contexto, o inbound marketing ganha cada vez mais espaço, em detrimento do tradicional outbound marketing, muito mais caro e unilateral. O inbound marketing é uma forma de atrair clientes através da produção de conteúdo customizado e relevante, geralmente em formato de artigos para blogs, vídeos, newsletters, ebooks, newsletters, posts em redes sociais, etc – bem diferente da tradicional publicidade, que quase sempre buscou a venda imediata de produtos de forma invasiva. Afinal, compramos uma revista para ler suas reportagens ou ver seus anúncios?

O princípio do inbound marketing é atrair novos clientes aos poucos, primeiro oferecendo conteúdo original e de qualidade e dialogando com eles, para depois apresentar a empresa e seus serviços. O roteiro é atrair tráfego para o site da empresa (através de diversos mecanismos, em especial o SEO – search engine optimization), converter esses visitantes em leads, o que futuramente irá gerar vendas. Após conquistar o cliente, o trabalho continua, e ele mesmo pode transformar-se num divulgador da marca, compartilhando esse material interessante e dando continuidade a esse círculo virtuoso.

Para o trabalho de comunicação corporativa ser cada vez mais estratégico, precisamos estar sempre atentos às mais recentes tendências da sociedade e da tecnologia. Produzir conteúdo original, transformando as empresas em fontes de informação e entretenimento aos consumidores, é um dos caminhos para destacar-se num mundo complexo, dinâmico e cada vez mais competitivo.

* Alan Mariasch é executivo de contas na Race Comunicação.

Ficou interessado sobre o assunto? Clique aqui e veja mais informações sobre esse e outros serviços oferecidos pela Race Comunicação.

Gostou do artigo?