Notícias

Gerenciamento de crise: o que é e como aplicá-lo_Race

Gerenciamento de crise: o que é e por onde começar

Todas as organizações estão sujeitas a passar por situações de anormalidade e tensão, de maior ou menor intensidade. A questão é: sua empresa sabe o que e um bom gerenciamento de crise e como aplicá-lo?

Calma! Se você ainda não sabe como se organizar nesse momento vem com a gente. Hoje a Race vai explicar um pouco sobre o tema, para que a sua marca sofra o menor prejuízo possível quando qualquer crise estourar.

Afinal, o que é um gerenciamento de crise?

Trata-se de um planejamento de ações em um um processo amplo e que envolve todas as áreas da empresa e seus respectivos gestores e que visa minimizar, reduzir ou, se possível, eliminar os impactos causados por uma adversidade dentro da empresa – seja ela legal, social, financeira ou de qualquer outra estirpe. Assim, esse conjunto de ações bem executadas fará com que o negócio tenha o menor prejuízo financeiro e reputacional possível.

Mas… Como criar esse padrão de gerenciamento de crise?

Comece agora. 

Antes de qualquer problema estourar na sua mão é muito importante que sua empresa já tenha estipulado um protocolo padrão de contenção de danos. Cria-se um comitê e indica-se um líder, que irá coordenar a equipe durante a emergência. Este time vai criar um manual de crise com um passo a passo a ser seguido por todos – seja na área jurídica, segurança do trabalho, suprimentos, operações etc. Caso a crise seja diretamente ligada à comunicação, o manual de crise é elaborado pela equipe interna de comunicação ou pela agência de assessoria de imprensa ou relações públicas.

Por exemplo, veja este documento da ANAC, disponível online, que contém o protocolo que a Superintendência de Ação Fiscal deve seguir em resposta a situações definidas pelo mesmo. Ele já tem estipulado uma cadeia de ações que acontecerão em alguns cenários específicos.

No caso específico do papel da comunicação empresarial ou corporativa, em momentos de crise, é importante ressaltar que a empresa deve, na medida do possível, ser o mais transparente que puder com a imprensa. Isso significa divulgar o ponto de vista da organização sobre determinado assunto da forma ágil e objetiva, visando eliminar possíveis polêmicas. Em geral, o silêncio é a pior atitude nesses momentos. E cuidado ao tocar em pontos delicados da empresa.

Confira mais detalhes sobre a construção das ações ANTES da crise aqui neste outro artigo.

Ademais, um fator importante, que não deve ser tratado com um mero detalhe neste momento de elaboração do manual: a gestão de crise nas redes sociais.

Aqui trazemos um material importante para ajudar a lidar com as crises no mundo virtual também. Mas é sempre bom lembrar:

Gerenciamento de crise nas redes sociais não é opcional, é obrigatório.

Além disso, também trazemos alguns exemplos importantes de como a sua crise pode ser agravada pelas redes sociais, aqui neste outro artigo. 

Além do manual existe um outro fator crucial para ser trabalho ao longo do desenvolvimento da empresa. Antes mesmo de pensar em crise, antes mesmo de qualquer coisa: PREPARE OS PORTA-VOZES.

É crucial para toda empresa um treinamento intensivo de pessoas que costumam falar em nome da marca, o conhecido media training.  Nele instrui-se todos estes porta-vozes sobre como lidar com a imprensa, por exemplo, o que é fundamental em situações de crises. Com executivos treinados, a comunicação se dará de forma mais efetiva, o que pode ser o grande diferencial em períodos delicados como esse.

Existem treinamentos voltados exclusivamente para crises, com simulações de acidentes, sala de crise, gerenciamento de contato com a imprensa, simulação de entrevistas, simulação de coletivas de imprensa etc. Mas também é possível trabalhar na prevenção – visto que uma crise pode ser gerada exatamente por uma fala de um porta-voz em desacordo com as políticas da marca – com social media training e o treinamento tradicional.

Media Training Especializado e Códigos de Éticas profissionais

A preparação está ok. Mas estourada a crise, como proceder?

À princípio, sua equipe vai seguir a cartilha pré definida. Mas atenção: em uma crise, o tempo é precioso. Cada minuto que passa após o estouro de uma crise corporativa é crucial. Você pode ver mais sobre essa corrida contra o relógio aqui neste outro texto. 

Se uma crise estourou sem que você estivesse preparado, sem que você tivesse previsto e se programado sobre como proceder a máxima é simples: calma e agilidade são a chave da solução. É preciso ter calma para não agir sobre impulso e acabar agravado a crise com atitudes e falas erradas ou mal calculadas, como o caso do Desastre de Bhopal.  Mas também é preciso ter agilidade, para não ser negligente neste momento.

O instante mais crucial no momento da gestão crise é o instante zero, é por onde você começa.

Mas calma! Sem pânico. Se sua empresa quer ter o mínimo de problemas em um momento de crise e sair com os menores danos possíveis, clique aqui e peça mais informações sobre esse e outros serviços oferecidos pela Race Comunicação.

Este conteúdo é uma colaboração de Alan Mariasch e Nathalie Portela

Leia mais

O que é um plano de comunicação?

Por Maira Manesco

O plano de comunicação é uma das ferramentas-base para o trabalho de assessoria de imprensa. É nele que a agência de comunicação estabelece qual o caminho que a comunicação organizacional irá percorrer, por meio de análises e estudos sobre a empresa, e pesquisas sobre o mercado e as tendências.

O planejamento é realizado para suprir as necessidades da empresa perante seus stakeholders, conhecidos também como públicos de interesse. Ele também é essencial para reforçar suas ações positivas, preocupando-se com qual mensagem será transmitida e como.

Para elaborar um plano de comunicação é importante incluir os seguintes itens:

– Objetivo: o que se pretende atingir com tal comunicação;
– Mensagem: o quê e como se pretende divulgar;
– Público: quem se pretende atingir com a mensagem (colaboradores, clientes, fornecedores, imprensa etc.);
– Estratégia: quais serão as ferramentas de comunicação eficazes para transmitir a mensagem e qual deverá ser o momento para isto;
– Avaliação: de que forma a mensagem foi recebida pelo público, se o alvo atingido foi o definido.

Além destes itens, é importante criar e incluir um cronograma das ações estabelecidas para, desta forma, conseguir cumprir os prazos. Em alguns casos, é necessário acrescentar neste plano de comunicação o orçamento, que estabelece os custos para cada ação.

* Maira Manesco é Assessora de Imprensa na Race Comunicação.

Ficou interessado sobre o assunto? Clique aqui e veja mais informações sobre esse e outros serviços oferecidos pela Race Comunicação.

O que é um presskit?

Por Núbia Neves

Alguns pontos são cruciais para que o assessor de imprensa e seu cliente consigam espaço na mídia. A oferta de boas pautas, com novidades e atrativos, é um ponto crucial; bons porta-vozes com disponibilidade e bem treinados são também muito importantes, porém, há um ponto ainda tão essencial quanto os anteriores: manter um bom relacionamento com o jornalista, e o presskit pode ajudar.

Mesmo podendo ajudar, alguns cuidados com essa ferramenta são importantes:

 1. Presskit não é jabá: é muito comum empresas enviarem para jornalistas presentes e exemplares de materiais que comercializam com o intuito de agradar o jornalista. Porém, a intenção do presskit é auxiliar na notícia e não presentear. Por isso, sempre envie algo que deixe clara essa intenção;

 2. Informação em primeiro lugar: presskits devem ser ligados a notícias. Sempre que enviar um tenha em mente que a informação deve chegar ao jornalista. Se o lançamento de um site é o foco, informe isso, se o importante for o lançamento de um produto, envie o material explicando seus benefícios, entregue para o jornalista as ferramentas necessárias para que ele produza uma boa notícia;

 3. O que enviar em um presskit: como dito anteriormente, ele deve possuir informações claras e importantes. Inclua ao kit escolhido, um release explicativo, com informações da empresa e do produto que pretende divulgar.   Além disso, independente do que for enviado, pense que a real intenção é que o jornalista receba todas as informações de forma fácil e clara. Não se apegue à necessidade de enviar algo chamativo, o importante é agir de forma estratégica. De que adianta chamarmos a atenção com o brinde, se o jornalista não prestar atenção à marca ou à notícia que enviou?

Além desses pontos, é importante que os assessores de imprensa se certifiquem que o conteúdo chegou às mãos dos jornalistas certos e que o intuito do kit foi alcançado. Por isso, confirme, através de follow up, se quem o recebeu ficou com alguma dúvida, e não se esqueça de usar o presskit no futuro a seu favor, facilitando seu acesso ao jornalista.

* Núbia Neves é Assessora de Imprensa na Race Comunicação

Ficou interessado sobre o assunto? Clique aqui e veja mais informações sobre esse e outros serviços oferecidos pela Race Comunicação.

O que é media training?

Alan Mariasch

O media training, também conhecido como treinamento de imprensa, é um processo de treinamento dos porta-vozes de determinada organização, com o objetivo de aperfeiçoar sua capacidade de se relacionar com os jornalistas, seja na hora das entrevistas, em eventos ou em encontros de relacionamento. O media training é essencial em qualquer estratégia de assessoria de imprensa, ou de relações públicas, planejada pela agência para seus clientes, antes que quaisquer ações proativas sejam executadas.

Leia mais
assessoria de imprensa

Assessoria de imprensa: o que é isso

O que é assessoria de imprensa? O que faz o assessor de imprensa? Qual a diferença entre assessoria de imprensa e publicidade? Assessoria de imprensa trabalha com influenciadores? Se eu contratar os serviços de uma agência de comunicação, minha empresa conseguirá sair nos principais jornais do país?

Muitas são as dúvidas em torno desta área e a nossa proposta é esclarecê-las.

O que é assessoria de imprensa?

Em linhas gerais, a principal função da assessoria de imprensa é servir como ponte entre o cliente atendido e os veículos de comunicação ou também influenciadores. Com isso, o assessorado (que pode ser uma pessoa física, empresa, ou instituição pública) conquista uma visibilidade positiva e de confiança junto à sociedade. Ou, nas palavras de um profissional da comunicação: conquista um fortalecimento da sua imagem.

Qual é o perfil de um profissional da assessoria de imprensa?

O trabalho do assessor de imprensa, que geralmente tem formação em jornalismo ou relações públicas, de uma forma simplificada, será conseguir que sejam divulgadas na imprensa notícias positivas sobre o assessorado.

O assessor deve conhecer a fundo o cliente: histórico, fraquezas, pontos fortes, quais são seus concorrentes, missão, visão, valores e como está o mercado de atuação. A partir disto, o profissional irá encontrar o potencial noticioso do assessorado, que gere interesse da mídia ou com um influenciador em publicar algo.

Conheça alguns dos recursos utilizados por uma agência de comunicação na assessoria de imprensa construir um bom relacionamento com a mídia:

  1. Estratégias de comunicação na assessoria de imprensa

    É a elaboração de um planejamento de trabalho que, dentre outras coisas, inclui quais serão os veículos-alvo, influenciadores-alvo, quais serão as editorias escolhidas (moda, gastronomia, economia, saúde etc) e quais assuntos poderão ser enviados para esse público. Dentro desse planejamento, o ideal é que estejam contidas todas as informações para o desenvolvimento do trabalho, de preferência hierarquizando as pautas e ações de acordo com a estratégia do cliente naquele momento. Além disso, é fundamental manter um contato próximo entre a assessoria de imprensa e o assessorado, pois assim será possível verificar se determinada estratégia definida pela agência de comunicação está alinhada com os objetivos e consequentemente a definição dos próximos passos a serem tomados se torna mais fácil.

  2. O Press release na assessoria de imprensa

    Geralmente chamado apenas de release, esse é o meio mais comum para o envio de informações em formato de texto, ou áudio quando enviado para rádio. O release é estruturado no chamado lead principal, onde deve responder informações básicas como: o que? quem? quando? como? onde? Além disso, geralmente o release também deve conter aspas do porta-voz da empresa ou da pessoa assessorada, assim também servirá como fonte em possíveis solicitações de entrevista. Caso algum jornalista se interesse pelo assunto, ele utilizará o texto da assessoria como base para escrever a matéria ou reportagem e agendar agendar entrevista com a empresa para obter mais informações.

  3. Acompanhamento de entrevistas e organização de coletivas de imprensa

    É fundamental que o assessor de imprensa acompanhe as entrevistas realizadas com o cliente, isso evita com que informações sigilosas ou equivocadas sejam transmitidas, o que pode causar problemas futuros. O acompanhamento também é uma boa maneira da assessoria de imprensa avaliar a desenvoltura do cliente diante de situações “adversas”, ou seja, o jornalista sempre irá buscar uma informação que pode não estar no script inicial da pauta, por isso também é importante realizar um trabalho de media training, fazendo simulações de entrevista com os porta-vozes em questão.Conheça aqui os nossos treinamentos customizados de comunicação corporativa Já as coletivas de imprensa são eventos organizados pela assessoria para reunir o maior número de jornalistas relacionados a determinada pauta. Porém, é importante lembrar que o tempo dos jornalistas é precioso, portanto antes de convidá-lo para se deslocar da redação, o assessor de imprensa deve ter em mente que as coletivas são utilizadas em casos muito específicos e até extraordinários, como em gestões de crise, por exemplo. Uma coletiva organizada na hora errada pode ter um efeito contrário e repercutir negativamente.

  4. Follow-up com a imprensa

     

    Repórteres e editores recebem uma quantidade gigantesca de sugestões de pauta todos os dias e nem sempre conseguem acompanhar essa demanda. Sendo assim, o follow-up trata-se de ligar para esses repórteres e editores com o objetivo de oferecer uma pauta (assunto); estabelecer contato com os jornalistas; confirmar se o jornalista recebeu um e-mail enviado. O follow-up é uma ferramenta fundamental dentro do trabalho do assessor de imprensa, pois permite estreitar o relacionamento com os jornalistas-chave e, claro, reforçar determinada pauta, como já dito antes.

  5. Influenciadores e jornalistas

    Cada vez mais uma boa assessoria de imprensa também busca trabalhar com influenciadores digitais além dos jornalistas. São públicos muito similares, mas que podem ajudar de formas distintas na construção da imagem do cliente ou na geração de novos negócios.

  6. Como é feita a mensuração de resultados na assessoria de imprensa?


    Mensalmente ou semanalmente o assessor de imprensa acompanha todos os resultados gerados com o trabalho de assessoria. O clipping, como é chamado, nada mais que é que um compilado das notícias e atividades realizadas e serve principalmente para avaliar e servir de termômetro para melhorar os impactos positivos e ou negativos do cliente na mídia e redes sociais.

  7. Assessoria de imprensa e gestões de crise

    Sim, a agência de comunicação que trabalha com assessoria de imprensa também atua em gestão de crises, principalmente alinhando informações, atendendo os contatos (negativos ou não), ajudando o cliente a se comunicar melhor e evitando mais impactos à marca. Veja como a Race pode te ajudar no gerenciamento de crises com a mídia!

  8. Press Kits

    Os kits de imprensa ou press-kits são muito utilizados pela agência de comunicação para divulgar o lançamento de um novo produto da empresa ou então alguma atividade importante que está sendo realizada no momento. É importante que o press-kit tenha um objetivo muito bem definido, ou seja, saber efetivamente a mensagem que ele quer passar, e para que isso aconteça, um briefing deve ser elaborado antes mesmo do levantamento de custos, que é o segundo passo para que o envio de um press-kit seja efetivo.

    A ideia aqui é causar um impacto positivo, uma boa lembrança, seja para o jornalista ou para algum influenciador digital, mas isso não significa que um press-kit necessariamente terá custos elevados. É possível fazer um press-kit de impacto utilizando a criatividade e sem gastar muito.O mais importante é que seja funcional e faça com que a empresa ou pessoa seja lembrada para oportunidades futuras, sendo também uma poderosa ferramenta de branded content.

    Outras atividades: claro que não são apenas essas atividades acima que competem a uma assessoria de imprensa. Para que tudo funcione bem, existem vários outros serviços que prestamos, mas que fica para um outro artigo.

É importante ressaltar que assessoria de imprensa não garante que qualquer instituição ou pessoa física aparecerá nos veículos de comunicação. Isso acontece porque a assessoria não compra espaços no jornal, este trabalho é o da publicidade ou do branded content. A assessoria de imprensa conquista o espaço na mídia, sem envolver pagamentos ao jornal. Este alcance é muito mais influente e de mais credibilidade para o leitor e, portanto, pode trazer melhores resultados ao assessorado.

Com a vinda e fortalecimento do meio digital, as atividades do assessor de imprensa e da agência de comunicação se expandiram. “Trabalhar a gestão de relacionamento com jornalistas ou influenciadores é importantíssimo! Mas atualmente, este profissional ainda deve ter em mente a força que o meio digital pode ter sobre a imagem de uma empresa ou personalidade. Hoje, em uma agência de comunicação todos pensam como atingir também aquele blog ou um microinfluenciador numa rede social que está mais em alta”, alerta Rogério Artoni, diretor da Race Comunicação, agência especializada em assessoria de imprensa.

Interessado nesse assunto? Clique aqui e peça um orçamento de assessoria de imprensa ou outros serviços oferecidos pela Race Comunicação.

Por Treicy Keller

Leia mais