Notícias

Glossário de Comunicação Interna

Por Marianne Mitsui

Blog corporativo: é uma forma de interação tanto com o público interno como o externo. É um espaço colaborativo que permite troca de informações e envio de comentários.

Box: recurso utilizado para delimitar o espaço de um texto complementar. Pode conter uma informação extra, uma observação ou uma nota.

Café com o presidente: encontro promovido entre funcionários e presidente para a troca de ideias, reclamações e sugestões, a fim de um melhor relacionamento entre as pessoas.

Canal de escuta de empregado (ouvidoria interna, ombudsman, linha direta): espaço nas entidades que recebe críticas, reclamações e sugestões de funcionários. É um importante meio de comunicação para interceder entre as partes envolvidas, a fim de evitar conflitos.

Circular: é uma mensagem dirigida a um determinado departamento ou setor, visando repassar avisos e determinar regras e ordens.

Comunicação em cascata: é um processo de comunicação hierárquico, em que as informações são repassadas de um segmento a outro e de cima para baixo.

Comunicação face a face: é o contato direto entre os funcionários e o chefe de uma empresa,

Comunicação integrada: busca aliar questões de diferentes divisões em uma empresa, com o propósito de estruturar um planejamento eficaz de comunicação integrando jornalistas, publicitários, relações públicas, entre outros setores.

Comunicados internos: são realizados para divulgar qualquer informação importante e específica que diz respeito a todos os funcionários ou apenas a um grupo. Podem ser enviados por e-mail, publicados na Intranet ou até mesmo serem colocados em cartazes.

Convenção anual: festas realizadas com a intenção de reunir todos os envolvidos com a empresa fora do ambiente de trabalho, em uma atmosfera descontraída para melhor relacionamento entre todos.

Endomarketing: trata-se de uma estratégia de marketing voltada para o público interno. Seu planejamento, na maioria dos casos, é feito pelos Recursos Humanos da empresa.

Endpoint: ícone que representa uma organização ou entidade, utilizado normalmente em revistas para indicar o fim de uma matéria.

Evento interno: são eventos regulares para reunir todos os funcionários de uma empresa ou grupos específicos. Visa à integração e um melhor relacionamento entre todos os setores.

Foto legenda: matéria com predominância de fotos que acompanham pequenos textos descritivos.

House Organ: é o canal de comunicação interna em uma empresa. Seja um jornal ou uma revista, o veículo é importante para que o público interno da entidade saiba de tudo o que acontece em seu local de trabalho. As matérias são mais frias já que normalmente é bimestral.

Intertítulo: títulos menores inseridos ao longo do texto, permitindo que a matéria fique menos carregada e fácil para a leitura.

Intranet: é um sistema de redes privadas de uma empresa. Todos os funcionários possuem um cadastro e podem acessar notícias institucionais, contatos específicos, telefones úteis, entre outros.

Jornal muralperiódico de comunicação interna, normalmente fixado em áreas de grande circulação de pessoas. Conta com diversos colaboradores, trazendo informações relevantes e em destaque na empresa. Nele as matérias são factuais, pois normalmente é quinzenal.

Layout: combinação de componentes gráficos que, diagramados, deve formar um conjunto harmonioso tanto numa revista, jornal, cartaz, ou newsletter. É importante que o layout de todo comunicado seja visualmente adequado, pois carrega consigo uma boa impressão diante dos funcionários.

Linha fina: complemento do título que resume a matéria em poucas frases.

Newsletter: é um boletim eletrônico informativo, enviado regularmente para setores específicos na empresa como forma de divulgação das últimas notícias importantes, ações, concursos ou festas.

Olho: citação ou frase do texto que é destacada na diagramação da página.

Programa de recompensa: uma ação de endomarketing realizada com o objetivo de aumentar a produtividade dos funcionários através recompensas.

Projeto social: promovido pelas empresas para estimular a integração entre os funcionários participantes e reforçar o auxílio a uma causa social.

Ponto focal: é o funcionário que atua dentro de um setor específico da empresa e na maioria das vezes não é do departamento de comunicação. Por ser uma pessoa ativa com os companheiros de departamento, ele que leva as informações relevantes para o departamento de comunicação da empresa e que muitas vezes viram matérias interessantes no house organ.

Rádio peão: é um meio de comunicação não-oficial, que gera informações incertas e sem confirmação.

Rede Social Corporativa: são plataformas exclusivas, voltadas para profissionais trocarem informações de forma mais prática e rápida.

Retranca: nome dado ao texto/palavra menor localizado acima do título em um layout, identificando o assunto da matéria.

Reunião de resultados: acontece regularmente com o intuito de alinhar resultados positivos e negativos produzidos pela empresa. É importante para reforçar o relacionamento entre cliente e equipe.

Subtítulo: pequena frase colocada abaixo do título para complementá-lo com mais informações.

TV / Rádio Corporativa: veículos exclusivos para a comunicação interna. São canais atrativos para a divulgação da empresa, pois permitem o uso de aparatos audiovisuais.

Se você se interessou pelo Glossário de comunicação interna, confira o Glossário de assessoria de imprensa que a Race preparou para você.

*Marianne Mitsui é assessora de imprensa na Race Comunicação

Interessado nesse assunto? Clique aqui e veja mais informações sobre esse e outros serviços oferecidos pela Race Comunicação.

Gostou do artigo?

A assessoria de imprensa inserida no planejamento estratégico da empresa

Por Alan Mariasch

Investir em de assessoria de imprensa não significa apenas conseguir boas publicações em veículos relevantes ou desenvolver ações de relacionamento com jornalistas importantes. O que justifica então todos os esforços e investimentos nesse tipo de comunicação externa? A resposta para essa questão está no planejamento estratégico de cada empresa, e onde a assessoria de imprensa pode contribuir com ele.

O planejamento estratégico é um processo que facilita a gestão de uma empresa, auxiliando na definição de metas e de quais serão as estratégias para alcança-las. Em primeiro lugar determina-se a visão e a missão de determinada organização. Em seguida é realizado um diagnóstico, com a análise das fraquezas, ameaças, oportunidades e forças nos ambientes interno e externo. Por fim, são definidos os objetivos e metas que a empresa deseja alcançar, e quais serão as métricas usadas para verificar os resultados.

A assessoria de imprensa atua em áreas como divulgação externa e gestão da imagem e reputação de uma empresa. Sendo assim, seu papel é vital dentro do planejamento estratégico da maioria das organizações na atualidade, ainda mais numa época de alta competitividade e em que a transparência e o bom relacionamento são fundamentais. Empresas que não gostam de dar satisfações sobre suas atividades e que não dialogam com seus stakeholders estão provavelmente condenadas ao fracasso.

Engana-se quem pensa que a assessoria de imprensa é uma atividade meramente operacional, que se resume ao envio de releases. Trata-se de uma área muito importante, inserida no planejamento estratégico e que ajuda a empresa a atingir suas metas de crescimento, lucratividade e retenção de talentos. Será que alguém consegue imaginar alguma empresa moderna que não se preocupe em ter um bom relacionamento com a mídia?

* Alan Mariasch é assessor de imprensa na Race Comunicação

Interessado nesse assunto? Clique aqui e veja mais informações sobre esse e outros serviços oferecidos pela Race Comunicação.

Gostou do artigo?

10 benefícios da comunicação interna

Por Filipe Andrade

Assim como as possibilidades e ferramentas de comunicação interna são diversas, seus benefícios dentro de uma organização também são inúmeros, tanto para a organização em si quanto para as pessoas que a compõem.

Confira alguns dos (muitos) benefícios da comunicação interna para uma empresa:

1- Credibilidade e Transparência:

No contexto da comunicação interna, veículos oficiais dão maior credibilidade à mensagem e o desenvolvimento de canais de informação com a equipe proporciona mais transparência à organização. Pesquisas apontam que, para se criar uma cultura de qualidade em determinada empresa, independente do segmento em que atua, um dos fatores levados em conta pelos colaboradores é a credibilidade da mensagem, ou seja, quanto mais respeitável a fonte, mais valorizada a mensagem (Harvard Business Review, Abril, 2014).

2- Informação rápida e precisa:

Uma nova vaga, com início imediato, precisa ser anunciada! Nada melhor que aproveitar as inúmeras ferramentas para atingir o maior número de pessoas em menos tempo. Em um veículo de comunicação interno, a comunicação é alinhada com o que a empresa pretende comunicar. Então, tudo é publicado de forma muito mais precisa.

3- Conhecimento da organização:

Assim como acontece com o público externo por meio de outros canais de informação (também conhecidos como veículos de comunicação), uma comunicação interna eficiente apresenta aos colaboradores as principais ações e projetos daquela organização. Dessa forma, os colaboradores sabem tudo o que está acontecendo na empresa. Isso é mais funcional ainda quando uma companhia tem mais de uma planta/filial e aí, a comunicação interna é fator preponderante para aumentar a integração das informações.

4- Pertencimento da equipe:

Informar ao colaborador, em primeira mão, o posicionamento, as políticas e novidades da organização geram o engajamento da equipe, que se sente “parte integrante do negócio” (ABRACOM – Caderno de Comunicação Organizacional)

5- Oportunidades de destaque profissional:

Por meio de ações de comunicação interna, a empresa conhece (e reconhece) os colaboradores que mais se destacam em determinadas áreas. Premiações, promoções, mensagens de boas-vindas a novos colaboradores e histórias de vida inspiram e incentivam os demais membros da equipe. Além disso, é possível mostrar “quem faz o quê” dentro da empresa, dando maior integração no trabalho das equipes.

6- Alinhamento e Motivação:

Em qualquer organização, quanto mais bem informados forem os colaboradores sobre as principais ações, objetivos e estratégias daquela empresa, mais motivados ficarão no desempenho de suas tarefas e mais forças serão somadas para a superação desses objetivos.

7- Troca de conhecimento:

Uma das premissas de qualquer ação comunicativa é a interação e, mais que levar informação aos colaboradores, a comunicação interna  possibilita um feedback da equipe, que, por sua vez, auxilia no direcionamento de outras ações no futuro.

8- Minimização dos efeitos de crises:

Quanto mais efetiva e dinâmica a comunicação interna, menos impacto negativo haverá em casos de crises – que, inclusive, podem ocorrer em qualquer organização. Se comunicar da maneira correta em uma crise pode ser o grande diferencial entre sair com o mínimo de prejuízo ou a falência total de uma empresa . Saiba mais sobre gerenciamento de crise aqui.

9- Potencialização de resultados positivos:

Se por um lado a comunicação interna, quando bem estruturada, reduz efeitos negativos de uma crise, ela pode, por outro, impulsionar e fomentar os ganhos para a organização. Acreditamos que a comunicação seja a chave para o sucesso de sua empresa.

10- Clima organizacional positivo:

A troca de informação não se dá apenas no âmbito colaborador-empresa. A comunicação interna contribui para ampliar as relações interpessoais, criando um clima de cooperação e interatividade. Um bom clima organizacional define como as pessoas se relacionam umas com as outras dentro do ambiente de trabalho e isso pode até incentivar o trabalho em equipe e a participação ativa dos funcionários.

Para que todos esses benefícios aconteçam de verdade é preciso ter em mente que a comunicação interna é estratégica e realmente traz resultados. Importante também manter, sazonalmente, pesquisas de clima para avaliar os caminhos que essa comunicação interna deve seguir.

Se você precisa de uma comunicação interna integrada ou avaliar como esse trabalho pode ajudar nos resultados da sua empresa, entre em contato com nossa equipe e peça uma avaliação detalhada de como os seus colaboradores podem ter uma comunicação interna eficaz, eficiente e integrada.

10 benefícios da comunicação interna

Gostou do artigo?
Leia mais

Glossário de assessoria de imprensa

Por Rodolfo Zanchin

Alcance: área geográfica da audiência e do número de leitores, ouvintes ou telespectadores que a mídia naquela região pode atingir.

Artigo: publicado normalmente em revista, internet ou jornal de grande circulação. Este tipo de texto discute, analisa ou interpreta um problema, assunto ou tendência. Uma das características do artigo é que leva mais tempo para pesquisar e produzir do que uma notícia. Os artigos geralmente são opinativos e refletem a ideia de uma pessoa, empresa ou entidade.

Assessoria de imprensa: sua principal tarefa é tratar da gestão do relacionamento entre uma pessoa física, entidade, empresa ou órgão público e a imprensa.

Boilerplate: breve parágrafo apresentando quem você é, o que e como você faz, normalmente usado como o primeiro parágrafo em uma biografia ou o último parágrafo em um comunicado à imprensa.

Briefing: documento contendo a descrição da situação de uma marca ou empresa, seus problemas, oportunidades, objetivos, metas e recursos para atingi-los. Pode ser em formato de perguntas e respostas ou em tópicos ou ainda apenas um texto com direcionamentos sobre o produto ou serviço.

Centimetragem: Forma de medir e mensurar resultados de anúncios publicitários ou matérias em jornais e revistas. A medida usada é centímetros/coluna.

Clipadora: empresa especializada em buscar e relatar os resultados de uma assessoria de imprensa obtidos em jornais, revistas e sites.

Coletiva de imprensa: evento para disseminação de dados e notícias por uma fonte, empresa ou entidade para vários jornalistas de uma só vez. O formato é geralmente uma apresentação de informações realizado pelo porta-voz da organização, seguido de uma sessão de perguntas e respostas. Em muitos casos, ela ocorre em situações de crise ou lançamentos e tem um tempo pré-determinado para acabar.

Clipping ou Clipe: recorte de jornal ou revista, pode ser também uma captura da tela do computador quando é uma publicação online ou ainda um corte de segmento de um vídeo ou áudio, para mensurar os resultados obtidos.

Comunicado Oficial: texto objetivo que relata o posicionamento oficial da empresa, pessoa ou entidade sobre determinado assunto.

Comunicação integrada: abordagem multidisciplinar, que utiliza uma série de técnicas e ferramentas de comunicação, a fim de entregar um conjunto consistente de mensagens. O objetivo é conseguir uma comunicação direta com o público. E independente da forma como será feita, as mensagens e a comunicação estarão alinhadas com as estratégias da companhia.

Corporate fact sheet: conhecido também como Fact Sheet, é um documento com apenas uma página que descreve os princípios de uma empresa, serviços, números gerais e faturamento (quando público). Inclui endereço, telefone, e-mail e mapa para permitir que os clientes potenciais ou repórteres encontrem facilmente o negócio.

Coluna: artigo escrito por um especialista, normalmente publicado em jornais ou revista, no qual o colunista escreve semanalmente ou todos os dias.

Cronograma de ações: instrumento de planejamento e controle semelhante a um diagrama, em que são definidas e detalhadas minuciosamente as atividades a serem executadas durante um período estimado.

Deadline: o prazo final para enviar materiais, fechar reportagens, entrevistas, etc.

Editorial: declaração de opinião de um editor sobre você e seu negócio. Além disso, um termo para a cobertura da mídia gerada pela equipe de notícia. Editorial é também um texto, feito pelo editor, que resume e comenta as matérias de uma publicação (normalmente em revistas).

Entrevista: conversa entre duas ou mais pessoas (o entrevistador e o entrevistado) em que perguntas são feitas pelo entrevistador de modo a obter informações necessárias por parte do entrevistado.

Exclusiva: notícia, entrevista ou artigo de destaque que apenas um jornal, revista, rádio, site ou televisão pode publicar/apresentar. Normalmente, esse tipo de destaque é negociado previamente pela agência assessoria de imprensa do entrevistado.

Exposição: a medida que o público-alvo torna-se consciente de uma pessoa, mensagem, atividade, tema ou organização através dos esforços da agência de relações públicas/assessoria de imprensa.

Follow up: trata-se da comunicação que envolve o monitoramento de objetivos e metas, após um contato pré-estabelecido.

Fotolegenda: texto explicativo sobre a foto que o acompanha, enviada para determinado mailing list de jornalistas.

Ghostwriter: pessoa que escreve artigos ou discursos para uma outra pessoa que reivindica a autoria.

Hard news: história que é verdadeiramente interessante, factual e objetiva. Algo que aconteceu naquele dia ou mesmo naquele momento.

Key Message: palavra-chave ou frase que a assessoria de imprensa, a própria empresa ou o departamento de comunicação têm a intenção que seja retida pelo público.

Mailing list: lista de editores e jornalistas de cada publicação em circulação. Inclui número de telefone, endereço, cargo, editoria e e-mail.

Media relations: a prática de lidar com jornalistas / blogueiros / membros dos meios de comunicação para construir boas relações de trabalho e gerar cobertura de mídia e editoriais favoráveis. É a base de trabalho de uma agência de relações públicas ou de assessoria de imprensa.

Media training: simulações realizadas com o profissional, que é um porta-voz, para que tenha efetividade como um gestor de comunicação, embora seja líder em outra área. Diz respeito sobre como funciona a mídia e informações que os jornalistas buscam e quem são estes profissionais.

Meet and greet: conhecido também por alguns profissionais como goodwill, é uma espécie de reunião realizada, geralmente de forma rápida entre fonte, assessor de imprensa e jornalista para propor pautas, conversar sobre a fonte e apresentar ideias ou pontos de vistas sobre possíveis matérias.

Mídia Espontânea: publicações veiculadas em qualquer meio de comunicação de forma espontânea, ou seja, sem plano de ações por parte da assessoria de imprensa.

Mídia Provocada: Publicações veiculadas em qualquer meio de comunicação estimuladas pela assessoria de imprensa, através de disparos de releases, sugestões de pauta, ou outras ações de relações públicas realizadas.

Off-the-record: ou apenas Off são informações fornecidas por uma fonte para um repórter e que, quando previamente acordado com o jornalistas, não pode ser publicada ou usada de qualquer forma.

Pauta: orientação que os repórteres recebem descrevendo que tipo de reportagem será feita, com quem deverão falar, onde e como. Pode ser também o enfoque sobre algum fato.

Pesquisa de opinião: levantamento que mensura a resposta de uma pergunta sobre um tema.

Plano de comunicação: a estratégia que é elaborada para alcançar um público-alvo usando canais de comunicação corporativa como: publicidade, relações públicas, experiências, eventos, ações, etc.

Porta-voz: representante de uma organização e que é uma fonte especializada disposta a comentar com a imprensa sobre uma questão pontual.

Position Paper: nota que apresenta a opinião, normalmente do autor ou de outra entidade especifica, sobre um assunto e que é enviada para a imprensa.

Press kit: kit com informações específicas entregue aos meios de comunicação por uma empresa. Normalmente contém material base, fotografias, ilustrações, comunicados de imprensa e em alguns casos, brindes da empresa que está divulgando.

Press release: ou News Release, ou ainda, apenas Release é a forma escrita mais comum, usada em relações públicas, para anunciar notícias e informações sobre produtos, serviços, empresas, etc.

Pronunciamento oficial: comentário escrito ou falado preparado para efeitos de resposta consistente a determinadas questões e que dizem respeito a um grupo grande de pessoas. Em muitos casos usados apenas por chefes de estado ou ministros.

Q&A: este documento, muitas vezes sigiloso, contém possíveis perguntas e também prováveis respostas para muitos assuntos de uma empresa, serviço ou produto. Nele o porta-voz se baseia para saber como responder determinadas questões.

Solicitação de imprensa: pedido que o jornalista faz a empresa por meio da assessoria de imprensa. Podendo ser: uma entrevista, cobertura de pauta, etc.

Sugestão de Fonte: é uma ferramenta de assessoria de imprensa na qual você oferece seu porta-voz para determinando mailing list de jornalistas.

Sugestão de Pauta: mensagem escrita para introduzir uma fonte ou ideia da história para um ou mais jornalistas.

Stakeholder: conhecido também como público de interesse, é a parte que afeta, ou que podem ser afetadas pelas ações de uma organização.

Talking Point: declarações sucintas que abordam pontos cruciais sobre determinado tema.

Se você se interessou pelo Glossário de assessoria de imprensa, confira o Glossário de comunicação interna que a Race preparou para você.

* Rodolfo Zanchin é Assessor de Imprensa na Race Comunicação

Ficou interessado sobre o assunto? Clique aqui e veja mais informações sobre esse e outros serviços oferecidos pela Race Comunicação.

Gostou do artigo?

O que é um position paper?

Por Núbia Neves

Muitas vezes na assessoria de imprensa, um trabalho proativo e reativo caminham lado a lado. É sempre muito importante esperarmos o melhor, mas nos prepararmos para o pior. O jornalista, na maioria dos casos, sempre procura mais de um porta-voz para suas matérias e, por esse motivo, opiniões controversas ou até informações erradas sobre seu cliente ou área podem surgir. Gerenciar a comunicação de forma estratégica e estar pronto para responder em casos de crises, é muito importante. Mas como fazer isso?

O Position Paper (PP), ou carta de posicionamento na tradução em português, pode ser uma ótima ferramenta para entrar em contato com o jornalista.

Através do PP é possível nos posicionarmos a respeito de uma matéria, solicitando uma mudança ou, somente, apresentando outras informações para o jornalista se basear em uma próxima publicação sobre o tema. Algumas vezes, principalmente quando a matéria for publicada em veículos impressos, a mudança é difícil de ser feita, porém, com um bom material seguido de um bom follow-up, a efetividade é comprovada quando, simplesmente, o erro não volta a acontecer.

Como fazer um bom Position Paper:

  • Deve-se explicar o motivo do contato. Muitos jornalistas escrevem muito mais de uma matéria por dia e podem não se lembrar da matéria em questão, sempre deixe claro o nome, o dia e a editoria da publicação;
  • Ofereça informações básicas sobre o tema. Sempre introduza o assunto explicando, mesmo que novamente, a pauta que foi trabalhada, é uma forma de ajudar o jornalista a lembrar;
  • Demonstre a importância do tema à sociedade e para sua empresa, desta forma o jornalista dará ainda mais atenção ao seu pedido;
  • Seja direto. Não precisa ficar “floreando” e apresentando muito mais argumentos além dos necessários, mantenha o foco no que você deseja mudança sem medo de ser sucinto demais, jornalistas possuem pouco tempo e quanto mais denso for o texto, menos atenção ele dará a ele;
  • Inclua bibliografia. Dependendo do assunto é importante que haja fundamentação. Se puder colocar algum artigo, estudo ou a opinião de alguma pessoa referência no assunto, melhor.

Todos esses pontos são importantes, porém, o follow-up após o envio é o ponto que deve ser levado mais a sério. Por receberem muitos e-mails todos os dias, o seu pode passar batido. Faça uma simples ligação para confirmar o recebimento, isso pode ser decisivo na efetividade do Position Paper.

Se você busca uma empresa para gerenciar este tipo de situação com a imprensa, entre em contato com a Race Comunicação.

Gostou do artigo?

O que é um plano de comunicação?

Por Maira Manesco

O plano de comunicação é uma das ferramentas-base para o trabalho de assessoria de imprensa. É nele que a agência de comunicação estabelece qual o caminho que a comunicação organizacional irá percorrer, por meio de análises e estudos sobre a empresa, e pesquisas sobre o mercado e as tendências.

O planejamento é realizado para suprir as necessidades da empresa perante seus stakeholders, conhecidos também como públicos de interesse. Ele também é essencial para reforçar suas ações positivas, preocupando-se com qual mensagem será transmitida e como.

Para elaborar um plano de comunicação é importante incluir os seguintes itens:

– Objetivo: o que se pretende atingir com tal comunicação;
– Mensagem: o quê e como se pretende divulgar;
– Público: quem se pretende atingir com a mensagem (colaboradores, clientes, fornecedores, imprensa etc.);
– Estratégia: quais serão as ferramentas de comunicação eficazes para transmitir a mensagem e qual deverá ser o momento para isto;
– Avaliação: de que forma a mensagem foi recebida pelo público, se o alvo atingido foi o definido.

Além destes itens, é importante criar e incluir um cronograma das ações estabelecidas para, desta forma, conseguir cumprir os prazos. Em alguns casos, é necessário acrescentar neste plano de comunicação o orçamento, que estabelece os custos para cada ação.

* Maira Manesco é Assessora de Imprensa na Race Comunicação.

Ficou interessado sobre o assunto? Clique aqui e veja mais informações sobre esse e outros serviços oferecidos pela Race Comunicação.

Gostou do artigo?

O que é um presskit?

Por Núbia Neves

Alguns pontos são cruciais para que o assessor de imprensa e seu cliente consigam espaço na mídia. A oferta de boas pautas, com novidades e atrativos, é um ponto crucial; bons porta-vozes com disponibilidade e bem treinados são também muito importantes, porém, há um ponto ainda tão essencial quanto os anteriores: manter um bom relacionamento com o jornalista, e o presskit pode ajudar.

Mesmo podendo ajudar, alguns cuidados com essa ferramenta são importantes:

 1. Presskit não é jabá: é muito comum empresas enviarem para jornalistas presentes e exemplares de materiais que comercializam com o intuito de agradar o jornalista. Porém, a intenção do presskit é auxiliar na notícia e não presentear. Por isso, sempre envie algo que deixe clara essa intenção;

 2. Informação em primeiro lugar: presskits devem ser ligados a notícias. Sempre que enviar um tenha em mente que a informação deve chegar ao jornalista. Se o lançamento de um site é o foco, informe isso, se o importante for o lançamento de um produto, envie o material explicando seus benefícios, entregue para o jornalista as ferramentas necessárias para que ele produza uma boa notícia;

 3. O que enviar em um presskit: como dito anteriormente, ele deve possuir informações claras e importantes. Inclua ao kit escolhido, um release explicativo, com informações da empresa e do produto que pretende divulgar.   Além disso, independente do que for enviado, pense que a real intenção é que o jornalista receba todas as informações de forma fácil e clara. Não se apegue à necessidade de enviar algo chamativo, o importante é agir de forma estratégica. De que adianta chamarmos a atenção com o brinde, se o jornalista não prestar atenção à marca ou à notícia que enviou?

Além desses pontos, é importante que os assessores de imprensa se certifiquem que o conteúdo chegou às mãos dos jornalistas certos e que o intuito do kit foi alcançado. Por isso, confirme, através de follow up, se quem o recebeu ficou com alguma dúvida, e não se esqueça de usar o presskit no futuro a seu favor, facilitando seu acesso ao jornalista.

* Núbia Neves é Assessora de Imprensa na Race Comunicação

Ficou interessado sobre o assunto? Clique aqui e veja mais informações sobre esse e outros serviços oferecidos pela Race Comunicação.

Gostou do artigo?

Race Comunicação é assessoria de imprensa da Prodata – Gestão Estratégica

Empresa líder de mercado, fornece soluções em software de gestão para diversos municípios brasileiros

Goiânia, 20 de fevereiro de 2014 – Desde o início de fevereiro a Race Comunicação – Goiás, é responsável pelo atendimento em assessoria de imprensa da Prodata, empresa de sistemas de gestão que desde 1985 fornece soluções em software de gestão pública e privada. A companhia, localizada em Goiânia (GO), tem como foco a excelência na criação de softwares personalizados que facilitam a gerência de forma integrada. Líder no segmento de médios e grandes municípios, está presente em Goiás e em diversos estados brasileiros.

Atualmente, a Prodata presta serviços para a maioria das prefeituras goianas como de Aparecida de Goiânia, Rio Verde, Senador Canedo, Caldas Novas, Catalão e Itumbiara. Em Goiânia, a empresa é responsável pelo sistema implantado na Assembleia Legislativa do Estado de Goiás, Câmara Municipal de Goiânia, além de prefeituras e outros órgãos nos estados de Minas Gerais, Tocantins, Mato Grosso e Pará.

A busca contínua pela qualidade faz com que a empresa aprimore cada vez mais seus produtos. Seu grande diferencial está no alto nível de especialização de seu corpo técnico aliado ao investimento em tecnologia de ponta.

Software de Gestão Pública

A Prodata criou o Sistema Integrado de Gestão Estratégica, uma ampla rede de gerenciamento que garante a cobertura de todos os setores da gestão pública, em módulos totalmente integrados, o que reduz custos, otimiza processos e torna mais transparente a utilização dos recursos utilizados.

Os softwares personalizados da Prodata garantem ao prefeito de cada cidade, e seu secretariado, o acesso instantâneo às informações de sua administração. Isso possibilita um total controle da gestão de forma descomplicada, facilitando a tomada de decisão e agilizando soluções nas diversas áreas que englobam a gestão pública.

“O sistema ainda traz outras facilidades como o serviço mobile em que o prefeito pode monitorar todas as ações implementadas no município, de qualquer local, através do seu tablet ou smartphone” afirma o diretor presidente da Prodata, Wagner Pires Lobo.

Sobre a Race Comunicação: 

A Race Comunicação é uma agência especializada em comunicação empresarial, fundada em maio de 1999, em São Paulo. A empresa, dos sócios Rogério Artoni e Lívia Caixeta, possui escritórios na capital paulista e em Goiânia (GO), com atuação em veículos de imprensa em todo o território nacional. Atualmente, possui clientes em atendimento nos segmentos: farmacêutico, shopping centers, alimentação, indústria de bebidas e multinacionais de engenharia e redes sociais.

Sobre a Prodata: 

A Prodata é uma empresa de sistemas de gestão que desde 1985 fornece soluções em software de gerenciamento. A companhia, localizada em Goiânia (GO), tem como foco a excelência na criação de softwares personalizados que facilitam a gerência de forma integrada. A empresa é líder no segmento de médios e grandes municípios e está presente em diversas cidades goianas, além de prefeituras e outros órgãos nos Estados de Minas Gerais, Tocantins, Mato Grosso e Pará.

Informações para a Imprensa: 
Race Comunicação
(62) 3587-3207

Beatriz Carvalho – beatrizcarvalho@agenciarace.com.br
Lívia Caixeta – liviacaixeta@agenciarace.com.br

Gostou do artigo?

O que é media training?

Alan Mariasch

O media training, também conhecido como treinamento de imprensa, é um processo de treinamento dos porta-vozes de determinada organização, com o objetivo de aperfeiçoar sua capacidade de se relacionar com os jornalistas, seja na hora das entrevistas, em eventos ou em encontros de relacionamento. O media training é essencial em qualquer estratégia de assessoria de imprensa, ou de relações públicas, planejada pela agência para seus clientes, antes que quaisquer ações proativas sejam executadas.

O media training pode ser ministrado durante um dia, parte de um dia ou media trainings mais completos duram idealmente três dias. O roteiro é basicamente: apresentação da equipe que irá aplicar o treinamento, entrevista surpresa com o porta-voz, feita por um jornalista experiente ou que esteja atuando em algum veículo, para uma avaliação inicial; palestras e dinâmicas com um assessor de comunicação experiente, que irá explicar sobre o funcionamento da imprensa e qual o caminho ideal para se relacionar com os jornalistas, além de focar nas key messages da empresa que deverão sempre ser mencionadas; por último, é feita uma segunda simulação de entrevista com o mesmo profissional de imprensa.

A agência finalmente prepara um vídeo com as entrevistas, avalia detalhadamente os porta-vozes e envia um relatório analítico ao executivo, destacando quais são seus pontos positivos e analisando em que ele deve melhorar. É importante que o media training seja adequado a cada cliente, de acordo com a quantidade de porta-vozes, o segmento em que a empresa atua e a necessidade imediata.

Existem treinamentos mais específicos como media training de crise, speaker training ou até mesmo, social media training. Cada um desses para simular uma situação. O media training de crise, como o próprio nome já diz, simula situação de crise em que os executivos são colocados em uma sala e recebem algumas informações relativas a um suposto problema e tem que lidar com ele e ao mesmo tempo atender imprensa.

O speaker training é mais voltado para a preparação de um porta-voz para falar em público ou para melhorar sua apresentação com a imprensa. Normalmente é dado juntamente com o media training como sendo parte integrante do treinamento.

O social media training, algo bastante inovador, é um treinamento de como os funcionários devem lidar com as redes sociais, já que praticamente cada colaborador de uma empresa é um porta-voz nas redes sociais. Esse treinamento voltado para empresas que querem qualificar melhor seus colaboradores de forma a evitar problemas nas redes sociais.

Você está buscando algum desses treinamentos ou um treinamento de porta-voz? Clique aqui e peça um orçamento para a Race Comunicação que iremos elaborar uma proposta personalizada aos seus objetivos.

O que é media training?

Gostou do artigo?
Leia mais

Race Comunicação fecha contrato com Arup, gigante da engenharia e do design

Empresa global é a terceira conta internacional da agência

Race Comunicação, agência de comunicação corporativa com atuação nacional, foi a empresa escolhida pela Arup para ser sua assessoria de imprensa no Brasil. A companhia, uma das maiores empresas de engenharia e design do mundo, presente em cerca de 40 países e que conta com mais de 11 mil funcionários, é o terceiro cliente internacional conquistado pela Race Comunicação nos últimos dois anos.

“Estamos muito felizes em trabalhar com a Race Comunicação”, disse Ricardo Pitella, diretor da Arup no Brasil. “Estamos orgulhosos do nosso trabalho no Brasil e estamos felizes de ter a Race do nosso lado para ajudar na divulgação dessas histórias”.

Com 14 anos de atuação e dois escritórios, um em São Paulo e outro em Goiânia, a Race Comunicação está buscando aumentar a sua base de clientes internacionais. “Foi um grande privilégio sermos escolhidos pela Arup para realizar a comunicação corporativa deles no Brasil. Eles são uma das empresas de engenharia e design mais emblemáticas do mundo, com obras extremamente relevantes, como a Ópera de Sidney, na Austrália, e o Ninho do Pássaro, na China. Eles estão investindo fortemente no mercado brasileiro e nosso objetivo é justamente esse, conquistar cada vez mais clientes multinacionais que tenham essa estratégia”, explica Rogério Artoni, diretor executivo da Race Comunicação.

O atendimento da conta da Arup no Brasil ficará a cargo de Alan Mariasch, gerente de contas internacionais, André Ranieri, coordenador de contas, Gabriel Pedreschi, assistente, além da direção de Rogério Artoni.

Race Comunicação

Fundada em 1999, a Race Comunicação é uma agência de comunicação corporativa que atua com assessoria de imprensa, comunicação interna, gerenciamento de redes sociais e treinamentos de porta-vozes. A empresa atende clientes dos mais diversos setores como: alimentação, farmacêutico, engenharia, construção, shopping center, esporte, saúde, tecnologia, que estão localizados em diversas regiões do Brasil e também do mundo. Além da sede em São Paulo, a empresa possui filial em Goiás e está entre as 50 maiores agências do Brasil, segundo o Anuário Brasileiro de Comunicação Corporativa 2013.

Sobre a Arup

A Arup é uma empresa multidisciplinar de engenharia e consultoria, reconhecida mundialmente por seus projetos inovadores e sustentáveis. Entre suas obras, realizadas em mais de 160 países, as mais famosas são a Sydney Opera House (Austrália), o trem bala Londres-Paris High Speed 1 (Inglaterra), o centro aquático Cubo D´água (China) e as arenas esportivas Ninho do Pássaro (China) e a Allianz Arena (Alemanha). No Brasil, em São Paulo, a empresa está atuando na revitalização do Porto de Santos e no projeto do Centro Cultural Luz; no Rio de Janeiro, a Arup vem trabalhando em projetos relacionados à Olimpíada de 2016, como a expansão do metrô da cidade, a Vila Olímpica e as arenas dos jogos. Fundada em 1946, a empresa tem 11.000 funcionários, em seus 90 escritórios espalhados por 38 países, sendo dois no Brasil: Rio de Janeiro e São Paulo.

Informações para a imprensa

Race Comunicação
Tel: (11) 2894-5607 / 2548-0720
Alan Mariasch – alan@agenciarace.com.br
André Ranieri – andreranieri@agenciarace.com.br
www.RaceComunicacao.com.br

Gostou do artigo?