Twitter: 280 caracteres que podem decidir uma informação

Por Gabriel Pedreschi

Quem diria que, 13 anos após entrar nas redes (21/03/2006), o Twitter se tornou um dos melhores e maiores meios para comunicação com muita agilidade, grande volume de sharing e, muitas vezes, quando pensamos em jornalismo, o local onde as informações são dadas e repassadas em primeira mão. Tudo isso em 280 caracteres.

O crescimento – ou a importância – do Twitter é mostrado em dois fatores: nos números e como a rede está sendo usada na divulgação de notícias e marcas e, até mesmo, pelos governos. Primeiro vamos falar dos números:

Em fevereiro último, ao anunciar o balanço do ano fiscal de 2018, a empresa norte-americana, em comparação a 2017, teve um crescimento de 25% em receita (US$ 3,04 bilhões) e 24% de publicidade (US$ 2,6 bilhões). Se contar, somente, o quarto trimestre, a rede teve um crescimento de US$ 908,8 milhões (20% se comparado a 2017).

Deixando os números de lado e indo para a questão de comunicação, o Twitter, pela sua força de share, tem uma grande agilidade para replicar assuntos, seja positivo ou negativo. Um exemplo atual é o uso da ferramenta pelo executivo brasileiro, que adotou a plataforma como maneira de divulgar as ações que estão sendo tomadas pelo presidente da república.

A rede social azul também se tornou uma forma de aproximar os fãs dos seus ídolos ou do time que torce. Um exemplo de aproximação recente é o twitter do Santos Futebol Clube, que passou a interagir, desde 2018, com os torcedores que estão nesta plataforma, seja através de emojis ou de respostas mais elaboradas, desde brincadeiras até “convite” para o torcedor comparecer ao próximo jogo da equipe.

Olhando assim, somente pelo lado da agilidade e da aproximação, o Twitter é a plataforma perfeita. Mas, o usuário deve lembrar que, em caso de uma mensagem equivocada ou uma falha, seja na rede ou fora, a equipe de gerenciamento de crise deve estar pronta para agir com rapidez. Afinal, se existe agilidade para a notícia positiva, acontecerá em dobro na negativa.

Gostou do artigo?