Você sabe a diferença entre assessoria de imprensa e relações públicas?

assessoria de imprensa

Confundir a assessoria de imprensa e relações públicas pode ser considerado até “normal”, afinal de contas elas estão intrinsecamente relacionadas.

No século XX, o jornalista Ivy Lee montou o primeiro escritório de relações públicas, até então conhecido pelo mundo.

Em uma tentativa assertiva, Lee institui um novo modelo de atividade comunicacional, a assessoria de imprensa. Seu objetivo era recuperar a imagem e a credibilidade do empresário John Davison Rockfeller – um dos milionários e mais destacados donos de empresas do período – acusado de agir inescrupulosamente para ter o controle e o monopólio do petróleo nos Estados Unidos.

Com um plano de comunicação bem estruturado, o jornalista passou a atuar como um agente informacional dos negócios de Rockfeller. Ele atrelou o fornecimento especializado de conteúdos de interesse público da empresa a serem divulgados jornalisticamente, concomitantemente com o serviço de reposicionamento da imagem institucional do empresário e de seus negócios.

Por meio de um trabalho dinâmico, Lee construiu um canal de comunicação entre a imprensa e a empresa do seu assessorado.

O envio de informações verídicas garantia a publicação de notícias nos espaços editoriais (mídia espontânea), deixando de lado os anúncios ou publicações de cunho comercial.

Assessoria de imprensa e relações públicas: como diferenciar?

Fundamental para construção e manutenção de uma imagem positiva, a assessoria de imprensa é um instrumento pelo qual os profissionais formados em Jornalismo (especialmente aqui no Brasil), Relações Públicas e, em alguns casos, Propaganda e Publicidade, utilizam para construir e estreitar o relacionamento dos seus assessorados com a mídia e outros formadores de opinião, tendo como principal objetivo a divulgação de uma agenda positiva que impacte na reputação de um ente;  além de identificar e se antecipar a possíveis riscos e vulnerabilidades dos seus clientes que podem se tornar em crises de imagem.

Efetivamente, o trabalho da assessoria de imprensa consiste em entender, apurar e encontrar informações noticiosas (ou seja, de interesse público) de um ser empresarial propagando-as para os veículos de comunicação e formadores de opinião, visando com que essas sejam conhecidas a outros públicos estratégicos pleiteados pela organização. Quando necessário, os profissionais do segmento, ainda, minimizam os resultados negativos gerados por uma crise corporativa que se tornou pública.

Por meio de peças como o press-release, notas, sugestões de pautas e porta-vozes, além da elaboração e envio de press-kits, realização de encontros de relacionamento, coletivas de imprensa, press-tour e press-trips, e outras ações realizadas nos meios on e offline, os especialistas atuam diretamente na construção de um colchão reputacional da empresa e/ou organização.

Com um escopo mais amplo, as Relações Públicas dialogam com todos os stakeholders preteridos. Embora os RP´s possam atuar em assessorias de imprensa, seu papel é garantir um relacionamento achegado com a totalidade dos públicos de interesse de uma empresa, marca ou organização, salvaguardando e garantindo que a imagem desejada seja a mesma que a percebida.

Isso inclui pensar em ações estratégicas que impactem os acionistas, diretores, colaboradores, terceiros, clientes, Ong´s, órgãos públicos e governamentais etc.

Dentre as funções da área, estão a elaboração do planejamento estratégico de comunicação, a execução do plano tático, o levantamento dos resultados obtidos, e por fim, o entendimento e a avaliação das ações, tendo como finalidade de prossegui-las ou não; sempre levando como meta, os valores, objetivos e as ações da organização.

Resumindo, embora importante, a assessoria de imprensa é um braço estratégico de das Relações Públicas, que consiste em um olhar macro da organização.

Ficou interessado em saber como melhorar a sua comunicação atingindo resultados que impactarão seu negócio? Entre em contato! Nós atuamos tanto com assessoria de imprensa, quanto com todo o escopo de Relações Públicas.

Por Rodrigo Freitas

 

 

Gostou do artigo?