7 piores erros de quem não tem media training

7 piores erros de quem não tem um media training

Toca o telefone. Do outro lado da linha o jornalista pergunta se poderia agendar uma entrevista. E agora?

Esta pode ser a oportunidade de ouro para “crescer e aparecer” no mercado ou até para reforçar uma mensagem estratégica. Mas, o que é um sonho pode virar um grande pesadelo em questão de minutos. Isso porque, caso o porta-voz da empresa não esteja preparado para atender a esta demanda de imprensa, o efeito pode ser reverso e fazer os negócios despencarem.

Mas não há motivo para pânico. A palavra de ordem para que os resultados de uma entrevista sejam positivos é preparação. Com um media training, é possível saber o que fazer e, principalmente, o que NÃO fazer diante de um repórter. Abaixo seguem alguns dos piores (e mais comuns) erros cometidos nessa hora:

  • Não levar em conta a aparência

É muito importante cuidar da forma como irá se apresentar em uma entrevista, especialmente se for para programas de TV. Mas, mais do que investir em um vestuário chique, é preciso que a aparência acompanhe a pauta. Se for falar sobre solidez e tradição, invista em peças que transpareçam essa ideia. Mas se o assunto abordado for inovação, vale apostar em um visual mais moderno.

  • Falta de expressividade

Não existe nada pior do que conversar com uma pessoa monótona, que não demonstra emoções e nem muda a expressão facial na hora da conversa. Os gestos e as oscilações na voz são imprescindíveis na hora de passar uma mensagem. Lembre-se que apenas 7% da comunicação são as palavras.

  • Levantar assuntos polêmicos

Todos temos opiniões sobre questões políticas, religiosas, comportamentos sociais, futebol etc. Mas isso não significa que elas precisem ser expressas, especialmente fora de contexto e diante de um jornalista. Por isso, evite assuntos polêmicos, pois eles podem virar o tema principal da conversa e estampar a manchete do jornal.

  • Esconder o problema

Algo deu errado nas operações da empresa? É melhor não tentar esconder ou minimizar o problema. Além de demonstrar falta de sensibilidade, o jornalista irá perceber que este é um ponto fraco e explorar ao máximo. Enfrente a situação da forma mais clara e estratégica possível.

  • Entrar em um batalha com o repórter

Embora seja necessário tomar cuidado com o que se fala diante das câmeras ou de um gravador, isso não significa que o repórter seja seu inimigo. Um entrevista não é uma batalha e não existe a necessidade de se armar para isso. O recomendado é que o porta-voz seja gentil e forneça as informações necessárias, sem expor confidencialidades e incluindo as mensagens-chave.

  • Ser prolixo

Seja claro e objetivo. Além de ser enfadonho conversar com uma pessoa que se repete muito, isso transparece despreparo e falta de informação.

  • Pedir para conferir a matéria antes da publicação

Esta é uma das dicas mais importantes. Em hipótese alguma peça para ver o que foi escrito ou produzido antes da matéria ir ao ar. Isso desrespeita o trabalho do jornalista e pode ser interpretado como uma tentativa de controlar o que será divulgado. O ideal é fazer o melhor possível durante a entrevista, pois quando ela terminar, nada mais poderá ser feito.

Por Thamyris Barbosa

Gostou do artigo?