INSIGHTS

O que são AdWords?

Por João Pedro Andrade

A todo instante pessoas ao redor do mundo estão buscando suas necessidades na barra de procuras do Google – seja um vestido novo, como perder peso ou aquela viagem dos sonhos. Agora, você dono de um negócio, imagine poder colocar o nome da sua empresa disponível para essas pessoas no momento da busca. Você pode construir seu caminho até o topo através de ações de SEO ou comprar esse serviço. Esse é o Google AdWords e é exatamente o que ele oferece.

O serviço funciona a partir da seleção de palavras-chaves que seus prospects e/ou clientes poderiam utilizar ao procurar o serviço que você oferece – “tênis de corrida”, por exemplo, se o seu negócio é uma loja de materiais esportivos. O topo da busca irá trazer uma página da sua empresa com a oferta buscada. Junto com ela, haverá um sinal escrito “anúncio”, que indica a utilização de AdWords.

Provavelmente, você não será o único a fazer essa escolha de palavras-chave e terá que dividir esse espaço com alguns de seus concorrentes. Para ter o seu anúncio no topo da lista, ou ainda eliminar os anúncios dos concorrentes, você, anunciante, deverá oferecer lances, como num leilão. O valor é calculado por CPC – cost per click (custo por clique).

E o maior lance ganha? Talvez. Nem sempre. Além do dinheiro, o Google também levará em consideração a qualidade da sua página em relação ao termo procurado. Número de cliques recentes e conexão do termo buscado com seu conteúdo são somente alguns dos fatores levados em consideração.

Como resultado, pesquisas mostram que cerca de 81% dos usuários do Google clicam em anúncios de AdWords. 40% deles não fazem ideia que estão clicando em anúncio. Desse modo, podemos observar que essa pode ser uma ferramenta bastante útil e importante para aqueles que desejam utilizar de novas tecnologias para ampliar seus negócios.

Gostou do artigo?
Leia mais

Quatro dicas para uma comunicação interna eficaz

Por Malin Teles

É uma percepção comum entre profissionais de comunicação que a importância da comunicação interna é subestimada pela alta liderança. Mesmo que isso seja verdade em alguns casos, comunicação interna geralmente é considerada alta prioridade pela maioria dos gerentes. Porém, o problema muitas vezes consiste no fato de que a atividade de comunicação interna tende a ser mal interpretada. Em outras palavras, ela muitas vezes é mal executada. Uma comunicação interna da má qualidade pode trazer impactos muito negativos para a organização  e, portanto, não deve ser ignorada. Por exemplo, não conseguir se comunicar bem com os funcionários muitas vezes gera descontentamento, falta de engajamento e uma alta rotatividade de funcionários. Tudo isso pode gerar custos altos e desnecessários para a empresa.

Para construir uma fundação sólida para sua comunicação interna, é importante ter algumas coisas em mente. Vamos entender um pouco melhor:

Comunicação interna não é uma atividade isolada mas algo que precisa ser integrado ao trabalho do dia a dia.

A comunicação interna é, de certa forma, um espelho da cultura da empresa e também um influenciador em sua cultura. Caso sua intenção seja ter uma cultura transparente e não hierárquica, a comunicação dentro da organização precisa refletir isso e vice versa. Ou seja, você precisa pensar sobre a comunicação interna como uma parte integrada ao seu trabalho. Isto inclui tudo, desde e-mails internos, mensagens de texto, reuniões, feedbacks, ligações etc. A maneira que essa comunicação é conduzida precisa refletir a cultura de empresa que você almeja.

Crie rotinas – quem comunica o que e quando.

Independente de que tipo de cultura a organização tem, é necessário ter uma rotina para a comunicação interna. Membros da equipe e gerentes precisam saber onde e como achar as informações que eles estão procurando. E, talvez mais importante ainda, gerentes e líderes de equipe precisam saber o que, como e quando eles devem comunicar para as equipes. Ter isso predefinido facilita o trabalho de todos e faz com que o fluxo de informação melhore. Além disso, transmite uma sensação de estabilidade e confiança dentro da organização.

Seja um pouco seletivo em relação ao que é comunicado.

Em uma tentativa de promover transparência, algumas empresas cometem o erro de comunicar informação demais. Isso pode ser um problema, não só porque aumenta o risco de compartilhar uma informação confidencial, mas porque pode causar uma sobrecarga de informação. Por isso, antes de compartilhar qualquer informação, faça a seguinte pergunta para você mesmo: essa informação é relevante para essas pessoas? Às vezes, a informação é relevante para todos os funcionários ou todos os times, mas  muitas vezes é só relevante para alguns. Se esse for o caso, compartilhe a informação apenas com essas pessoas. Assim, você evita afogar as pessoas com informação irrelevante e tem uma chance maior a ser notado quando estiver comunicando informações realmente importantes. Isto porque não vão ter desaparecido em um monte de mensagens irrelevantes.

Comunique mudança com antecedência e envolva os funcionários na discussão.

Toda organização passa por mudanças de vez em quando. Mesmo que as mudanças nem sempre sejam negativas, as pessoas tendem a ser relutantes a elas, o que faz com que seja ainda mais importante planejar bem a comunicação relacionada a essas mudanças. Como uma regra geral, podemos dizer que mudanças sempre devem ser comunicadas com a maior antecedência possível. Dessa maneira, as pessoas que serão afetadas pela mudança terão um tempo para se acostumarem com a ideia antes que a mudança realmente aconteça.

Além disso, uma outra maneira de diminuir a resistência, é envolver as pessoas que serão afetadas em uma discussão sobre a mudança já na fase inicial, antes que todas decisões sejam tomadas. Assim as pessoas terão a sensação de participação e receberão a chance de serem ouvidas. Claro, algumas decisões não são negociáveis, porém a grande maioria das mudanças contêm partes que são.  Por exemplo, talvez seja possível adaptar quando e como a mudança será aplicada.     

Seguindo essas recomendações, você terá uma base sólida para desenvolver sua comunicação interna. Porém, deixar um profissional independente avaliar as rotinas de comunicação na sua empresa também pode ser útil. Assim, receberá uma visão objetiva da situação e sugestões de possíveis melhorias.    

Gostou do artigo?
Leia mais

Como o Whatsapp Business vai ajudar na comunicação com o consumidor

Por Evelyn Spada

Na segunda quinzena de janeiro, o Whatsapp anunciou um novo serviço para micro e pequenas empresas. Chamado de WhatsApp Business, a novidade facilita a comunicação com os clientes e possui recursos, como envio de mensagens automáticas e informações da empresa no perfil.

Sempre em busca de facilitar a vida de seus 1,3 bilhão de usuários, com a novidade, o WhatsApp permite que a empresa responda dúvidas e atenda reclamações de forma automatizada, a qualquer hora do dia.

Como o app de bate-papo muitas vezes mistura a vida pessoal e profissional, a atualização permite o envio de mensagens automáticas que auxilia o trabalho dos empreendedores com os contatos fora do expediente, por exemplo.

Além das mensagens, outra possibilidade do app para colaborar com o gerenciamento do negócio, é o acesso à métrica de uso do serviço, como o número de mensagens lidas ou respondidas. Ainda, a empresa poderá disponibilizar informações, como e-mail e endereço, em uma página de perfil.

Conversamos com Bruno Uehara, assessor de comunicação, e para ele, a novidade faz parte da série de atualizações do Facebook (detentor do WhatsApp e do Instagram). “O WhatsApp Business é uma alternativa que facilitará a comunicação da empresa com o cliente, ainda mais após o CEO Mark Zuckerberg afirmar que o Facebook priorizará posts de amigos no feed de notícias”, finaliza Uehara.

Inicialmente, a novidade será disponibilizada para usuários de seis países: Estados Unidos, Indonésia, Itália, México e Reino Unido.

Principais novidades:

– Perfil Comercial

É possível criar uma conta comercial com informações úteis como: nome do estabelecimento, horário de atendimento com número de telefone fixo, site oficial, ramo de atuação, descrição do negócio, endereço e telefone de contato.

– Respostas rápidas

A ferramenta também disponibiliza a opção de Respostas Rápidas, ou seja, é possível salvar as mensagens que enviar com frequência, e reutilizá-las para responder as perguntas mais comuns que sua empresa receber sem demora.

Envio de mensagens automatizadas

Para agilizar o atendimento, com o WhatsApp Business será possível criar mensagens automatizadas para responder o usuário instantaneamente. Seja uma mensagem de saudação ou mensagem de ausência informando o horário de expediente.

– Estatísticas de mensagens

Além disso, é possível acompanhar as métricas importantes de interações com os clientes, como o número de mensagens enviadas com sucesso, entregue e lido.

Gostou do artigo?
Leia mais

Eventos corporativos como ferramenta de networking

Por Lívia Caixeta

Ampliar a rede de contatos pode render resultados inesperados. Além disso, conhecer pessoas novas significa tomar conhecimento de novas experiências. Tudo isso pode ser alcançado em uma simples conversa, descompromissada em um evento corporativo, por exemplo. Ambientes informais, descontraídos favorecem novas conexões que renderão “bons frutos” no futuro.

Os eventos corporativos são um terreno fértil para novas relações profissionais. E para bem aproveitar essas oportunidades alguns aspectos devem ser observados:

#Para o evento:
– Preocupe-se e gaste tempo para definir e desenvolver os conteúdos que serão apresentados;
– Prepare uma boa recepção aos participantes/convidados;
– Invista no coffee break pois são nessas ocasiões que ocorrem as interações entre os participantes;
– Um ambiente agradável e condizente com a proposta do evento atraem e acolhem os convidados;
– Um brinde é sempre uma maneira de marcar e agradar os participantes.

#Para quem vai:
– Quantidade não é qualidade: bons contatos devem ser cultivados, de maneira que não é vantajoso possuir uma vasta lista de contatos que não possuem vínculos;
– Informe-se sobre o evento: investir tempo e energia em qualquer ação demanda planejamento. Analise quais as vantagens e oportunidades que o evento em questão pode lhe proporcionar;
– A análise reversa também é importante: entenda como sua empresa pode ser relevante para aquele evento e no que poderá acrescentar;
– Informe-se sobre o cronograma;
– Socialize-se: esqueça emails e outras atividades que lhe prendam ao celular, computador ou qualquer outro aparelho eletrônico que tire sua atenção do seu foco que é o networking;
– Circule pelo evento para identificar pessoas que possam ser interessantes e com quem seja possível desenvolver uma conversa construtiva;
– Registre os contatos feitos e use as redes sociais a seu favor para manter a conexão.

Gostou do artigo?
Leia mais

Race Talks: “Marcas precisam ver além do número de seguidores”

Debate com Rafael Dantas (Rango do Rafa) e Julia Jaccoud (A Matemaníaca) discute potencial de influenciadores como canais estratégicos

Por Bruno Uehara

Foi realizada nesta terça-feira (23) mais uma edição do Race Talks, evento de troca de conhecimento entre profissionais e especialistas de comunicação. Para o primeiro debate de 2018 foram convidados os influenciadores Rafael Dantas, do canal Rango do Rafa, e Julia Jaccoud, conhecida como A Matemaníaca. A dupla detalhou como funciona a relação constante com as marcas e explicou quais são os principais desafios enfrentados como profissionais do segmento.

Leia também: O que é e como utilizar o Facebook ADS?

A política do feed de notícias do Facebook e seu impacto na comunicação corporativa

Segundo Rafael, que produz vídeos de receitas há quatro anos, muitas empresas se restringem aos canais com milhões de inscritos, por isso acabam deixando de atingir um público estratégico em suas ações. “As marcas precisam ver além do número de seguidores. Nem sempre um canal do YouTube tem a maioria de fãs dentro do perfil de interesse”, diz.

Julia, que apresenta a matemática além de fórmulas e teorias, enfrenta um segmento de influenciadores ainda em desenvolvimento: o de educação. Ao contrário da gastronomia, que se popularizou e possui diversos porta-vozes, sua categoria vem ganhando notoriedade principalmente com a plataforma YouTube Edu, da qual é parceira, que reúne vídeo-aulas sobre temas diversos. “Meu canal tem foco na divulgação da matemática sem muitas teorias e fórmulas decoradas. O nicho é muito específico, o que ainda dificulta parcerias com algumas marcas”, completa.

Veja mais: Planejamento estratégico com influenciadores digitais

Entenda como funciona o monitoramento de redes sociais

Para Rafael, liberdade criativa é a palavra-chave para uma ação bem-sucedida. Em outros termos, quanto menos limitador for um briefing, mais natural soará o discurso. “Costumo receber pequenas orientações das marcas, junto com os principais pontos que precisam ser destacados. Esse formato funciona bem porque o dono do canal conhece seu público e sabe qual a melhor forma de se produzir conteúdo.” Além disso, quanto mais influenciadores envolvidos em uma campanha, mais eficiente será o impacto. Rafael exemplificou com a ação #CaixaSurpresaAjinomoto, em comemoração aos 60 anos da Ajinomoto do Brasil – cliente da Race Comunicação –, que contou com a participação de dez perfis influentes da gastronomia em um desafio culinário.

Apesar da diferença temática entre Rango do Rafa e A Matemaníaca, Rafael e Julia reforçaram um ponto importante ao longo do debate: os influenciadores têm muito potencial a ser explorado e ainda precisam ser compreendidos como canais estratégicos de comunicação. O período atual é de transição e, em um futuro próximo, poderão conquistar o posto de tradicionais veículos como revistas, jornais e até mesmo a televisão.

Gostou do artigo?
Leia mais

O que é e como utilizar o Facebook ADS?

Por Filipe Andrade

Uma das redes sociais mais utilizadas no mundo, o Facebook possibilita que perfis comerciais (páginas) dinamizem e intensifiquem sua presença junto ao público, através de investimentos em posts. A ferramenta é conhecida como Facebook ADS.

Funciona mais ou menos assim: o usuário pode impulsionar sua publicação, selecionando o(s) público(s) que deseja atingir, a região geográfica, etc. Trata-se, portanto, de uma ferramenta eficaz quando o assunto é estar em contato, seja com potenciais ou clientes ativos.

Esses investimentos, obviamente, têm um custo, que é determinado pelo próprio usuário. Ou seja, ele escolhe quanto deseja pagar e, de acordo com aquele valor, o Facebook determina o alcance da página/publicações.

É importante destacar que o aumento de seguidores de uma rede social na internet será sempre proporcional à popularidade da marca mas, acima de tudo, aos investimentos feitos pela organização naquela plataforma. O usuário paga, literalmente, para o Facebook divulgar sua marca. A premissa é a mesma para o Instagram.

A utilização dessa ferramenta é simples, mas exige um conhecimento prévio das métricas (ações, alcance, cliques, engajamento, frequência, etc.) adotadas pela rede social para a definição das estratégias (que depende da filosofia do negócio) e a mensuração dos resultados, um importante item quando se usa o Facebook ADS.

Hoje há inúmeras agências especializadas para esse tipo de serviço. E a Race é uma delas!

Se interessou? Entre em contato conosco!

Gostou do artigo?
Leia mais

3 dicas para guiar a produção de um vídeo institucional

Por Thamyris Barbosa

Um vídeo corporativo pode servir para muitos propósitos diferentes. É um importante aliado na apresentação de sua empresa para novos contratados ou mesmo para clientes (B2B ou B2C). Pode ser também uma excelente ferramenta na hora de difundir um novo posicionamento de marca ou para divulgar novos produtos.

Mesmo que você contrate uma empresa para produzir essa material, há uma série de direcionamentos fundamentais para o bom resultado do trabalho que devem ser fornecidos pela sua empresa. Por isso, é importante ter uma visão clara do que ou quem sua empresa pretende atingir. Para ajudá-lo nessa missão, selecionamos três importantes dicas para dirigir seu próximo vídeo.

Determine seu público alvo

Todos os vídeos corporativos são essencialmente ferramentas de marketing feitas para mostrar sua companhia ou para anunciar novidades a um público específico. Mas sua mensagem pode perder a eficácia caso o público alvo não esteja claramente delimitado. Isso irá definir o restante do processo e guiar questões como linguagem, mensagem, estilo e até duração do filme. Por isso, antes de pensar no conteúdo do material, escolha cuidadosamente as pessoas que você gostaria de atingir com essa mensagem.

Seja sentimental

Profissionais especializados em marketing entendem o quão importante as emoções são na hora de vender um produto. Mesmo que a maioria das pessoas se considerem completamente racionais na hora de ir às compras, estudos mostram o contrário. A verdade é que a vasta maioria das decisões – se não todas elas – são guiadas pela emoção. Tire vantagem disso. Conte uma história de forma comovente e motivadora – na dose certa. Assim, sua mensagem estabelecerá conexões emocionais com quem assiste.

Não fale, mostre

O vídeo é um meio perfeito para mostrar o quanto sua empresa ou seus produtos/serviços podem melhorar a qualidade de vida das pessoas. Não fique somente citando um monte de fatos e estatísticas. Evite explicações detalhadas sobre como determinado processo funciona. Apenas mostre. Utilize esse recurso para demonstrar os benefícios intangíveis que são difíceis de explicar com palavras.

Essas dicas certamente facilitarão a montagem do seu vídeo corporativo e contribuirão para que ele seja o mais assertivo possível. Uma boa comunicação depende de estratégia. Quanto mais planejadas forem as ações, mais assertividade e melhores resultados elas trarão à sua empresa.

Gostou do artigo?
Leia mais

A política do feed de notícias do Facebook e seu impacto na comunicação corporativa

Por João Pedro Andrade

Na segunda semana de 2018, o Facebook anunciou uma nova política para o feed de notícias de seus usuários. A partir daquela data e em nome de uma melhor interação social, a rede social faria um retorno às suas origens, dando preferência ao conteúdo de familiares e amigos de seus usuários e dando menos prioridade ao conteúdo de marcas e produtos.

A ação custou cerca de US$3 bi em ações a Mark Zuckerberg e traz novos desafios às empresas que utilizavam a plataforma como ferramenta de divulgação. Com menos espaço nas timelines, RPs, assessores e marketeers terão que fazer novos planejamentos de social media – mais criativos e eficientes para cativar seu público e angariar novos clientes.

É importante lembrar que uma das razões dessa mudança foi a utilização do Facebook para a alta disseminação de click-baits e fake news durante o ano de 2017. Por isso, nesse novo planejamento, ações que transmitam a verdade ou mesmo que não exagerem a eficácia de seus produtos deverão, naturalmente, ganhar mais espaço.

Sendo a rede de Zuckerberg uma plataforma de conexão de pessoas, estratégias que motivem o público a interagirem entre si também podem se tornar boas opções. Uma vez que a busca orgânica por marcas no Facebook é quase inexistente, mais que nunca será necessário que as marcas estudem e compreendam o real perfil de seus clientes e suas necessidades para então melhor atendê-los.

Por fim, a mudança poderá também ser traduzida em oportunidades. As marcas, agências e profissionais que desenvolverem campanhas e ações que conectem os usuários em um nível profundo aos seus contatos – além da marca que representam – poderão ter encontrado o Santo Graal dessa nova era Zuckerberguiana.

Gostou do artigo?
Leia mais

Como a assessoria de imprensa pode ajudar o branding da sua empresa?

Por Amanda Lima

Realizar uma boa gestão de marca significa executar um plano estratégico capaz de fazer com que o consumidor, no momento da compra, escolha o seu produto em detrimento de outro. É nisso que reside o conceito de branding, que em outras palavras consiste em “persuadir os de fora a comprar e os de dentro a acreditar”. A definição, emprestada de Wally Olins, um profissional britânico especializado em branding, nos ajuda a entender esse tipo de estratégia. Mas o que a assessoria de imprensa tem a ver com isso?

A missão primordial do assessor de imprensa é cuidar de como a sua marca é vista pelo mercado. O diferencial aqui é contar com profissionais capazes de determinar muito bem as necessidades do cliente e traduzi-las em um plano de comunicação eficaz. Relacionamento com a imprensa, elaboração de press releases, participação em entrevistas e coletivas, assistência em eventos, monitoramento de crises e divulgação de ações sociais são alguns exemplos de ações que permeiam a assessoria de imprensa.

Os resultados desse trabalho têm um impacto imprescindível para o branding de qualquer marca: o relacionamento com os stakeholders, ou seja, pessoas diretamente interessadas pelo seu negócio. É claro que esse contato também é feito em outras frentes de trabalho, como em ligações de prospecção ou campanhas publicitárias, por exemplo. Essas ações também são importantes na gestão de uma marca, mas o diferencial da assessoria de imprensa é como esse potencial cliente será impactado.

Uma reportagem em um veículo de abrangência nacional que traga uma abordagem positiva sobre o seu negócio terá um impacto muito diferente de uma ligação de prospecção. Nesse panorama, está em jogo a credibilidade que os stakeholders, que são também consumidores de notícias, dão ao veículo e ao jornalista que escolheu a sua empresa como porta-voz para determinado assunto. A assessoria é uma maneira de impactar de forma positiva e disseminada o público externo e, como consequência, atinge também os próprios colaboradores da empresa.

Quanto melhor for o branding da sua empresa, mais valor e credibilidade as pessoas darão ao seu produto. De nada vale um negócio com personalidade, qualidade, peças gráficas incríveis e discursos adequados se nada disso atinge potenciais consumidores. Para isso, conte com uma boa equipe de assessoria de imprensa.

Gostou do artigo?
Leia mais

Como iniciar a comunicação interna da sua empresa

Por Rodolfo Zanchin

Aqui no blog da Race, você sempre encontra muitas dicas do setor de comunicação e previsões para o futuro desse mercado. Dessa vez, o tema é um pouco delicado, pois ainda existem muitas empresas que não investem em comunicação interna. E nesse post, listamos as principais dicas para iniciar esse serviço em uma empresa, já que a comunicação interna é um dos principais pilares para o sucesso dos negócios.

É comum ouvirmos de membros de alta liderança que a comunicação interna existe apenas para gastar dinheiro. Claro que isso é uma tremenda mentira. A comunicação interna serve como apoio para a externa e vice-versa. A ideia é manter os colaboradores alinhados para que a comunicação como um todo siga em uma mesma direção: a do sucesso.

Caso queira iniciar a comunicação interna da sua empresa, sugerimos os seguintes passos:

 

  1. Organização do fluxo interno

Estabeleça funções e defina quem será o profissional para cuidar dessa área. A ideia é que ele receba informações dos mais variados setores da empresa e organize de que forma esse conteúdo será replicado para todos. Também não esqueça de eventos, promoções ou simples reconhecimentos.

 

  1. Aproveite para reforçar a cultura da empresa

Comunicados internos são uma ótima oportunidade para reforçar aos colaboradores os principais valores da empresa. Use desse método para que todos estejam alinhados e consigam transmitir todas as mensagens de forma homogênea.

 

  1. Preocupe-se com a periodicidade

Mais do que implementar, é necessário criar rotinas para que a comunicação interna seja reconhecida pelos colaboradores. Por isso, fique atento à periodicidade de comunicados, newsletters, jornais internos ou ações práticas. O ideal é que o funcionário tenha interesse em participar dessa nova dinâmica.

Gostou do artigo?
Leia mais