Cor que comunica: como construir uma identidade visual

Cor que comunica: como construir uma identidade visual

Como construir uma identidade visual? Um dos grandes erros das empresas ou de profissionais de comunicação ao definir essa identidade da marca é pensar em um logo e em uma ou mais cores e aplicá-las, sem um propósito, ou seja, sem construir a personalidade da empresa. Mais importante do que se imagina, esse conceito vai além da apresentação dos elementos visuais, logotipo, cores e fontes. Presente digital ou offline, a identidade é a materialização da missão, visão e valores de uma empresa, produto ou serviço; reflete o posicionamento estratégico e os valores tangíveis e intangíveis.

Embora importantes, sem um conceito apropriado, os elementos visuais tornam-se apenas objetos decorativos. Apenas como exemplo: em supermercado médio existem no mínimo 4 mil produtos de diferentes marcas. O que te faz lembrar e comprar sempre as mesmas marcas?

De certo, os valores tangíveis são importantes na escolha de um produto, porém os intangíveis como a ética da empresa ofertante, a humanização, os benefícios ao meio ambiente etc., principalmente hoje em dia são fatores decisivos para compra.

Só para ter uma ideia, pesquisa recente realizada pela Union + Webster apontou que 87% da população brasileira prefere comprar produtos e serviços de empresas sustentáveis. Sendo que, 70% dos entrevistados afirmaram que não se importam em pagar um pouco mais caro por marcas sustentáveis.

Mais importante do que traçar um plano pensando apenas nos elementos visuais, antes de criar a comunicação visual da marca é necessário primeiro definir a Brand Persona, que nada mais é do que a personificação dos valores de uma marca.

Blogs e sites podem ajudar a vender mais?

Estudar também as Buyers Personas, ou seja, personagens semifictícios que representem os clientes, será útil. Por meio da identificação desses personagens, será possível traçar uma estratégia que dialogue e leve em conta seus anseios e dores. É relevante analisar que grande parte das decisões de compra são realizadas com base nas preferências e estilo de vida do consumidor, sua personalidade, valores e status social.

Antes de aplicar os elementos visuais, também, vale a pena estudar a chamada psicodinâmica das cores e seus impactos no público-alvo. Dependendo da região, não será de bom tom usar determinada cor. lustrando, no Japão, as cores são ativos importantes. Elas norteiam os rituais religiosos, vestimentas, arquitetura e artes. A cor azul, por exemplo, é indicada mais para as mulheres e crianças, pois indica pureza e limpeza. Uma marca que quer vender um produto exclusivamente masculino, nunca deveria usar azul em uma campanha de comunicação.

Para construir uma comunicação visual assertiva é importante fugir do óbvio e comunicar com verdade, construindo marcas fortes, originais e que impactam. Pessoas se sensibilizam com histórias verdadeiras. Em uma sociedade pós-digital, cada vez mais existe uma preocupação com produtos, serviços e negócios que vão muito além das necessidades básicas.

Lembre-se, a “cor que comunica” é atitude e os valores que estão intrínsecos na marca, não apenas os elementos visuais visíveis. E aí, já sabe como construir uma identidade visual? Venha conhecer nossa equipe de criação e elaborar soluções de comunicação para a sua marca.

Por Rodrigo Freitas 

Gostou do artigo?
Leia mais
#Pride empresas comunicam diversidade por engajamento ou por posicionamento

#Pride: empresas comunicam diversidade por engajamento ou por posicionamento?

Organizações de diferentes setores têm aplicado diretrizes de comunicação que abraçam o universo LGBTQA+, mulheres, negros e outras parcelas da população consideradas minorias. Essa escolha editorial faz com que a marca engaje diferentes públicos e se posicione sobre um tema de alta relevância. Porém, existem marcas que acertam na hora de comunicar diversidade (tanto por realmente aplicarem diversidade, respeito e igualdade de oportunidades no dia a dia da empresa, quanto pela forma como optaram por passar essa mensagem e abraçar a causa publicamente) e outras que erram de forma brutal e ficam com sua reputação manchada dentre seus clientes.

#Pride na prática

Segundo o estudo Edelman Trust Barometer de 2019 – que ouviu 33 mil pessoas de 27 países com o objetivo de mapear a confiança dos cidadãos em relação a ONGs, governo, empresas e mídia – pode-se dizer, em uma análise geral, que pessoas confiam mais em pessoas do que em instituições ou empresas. E esse reconhecimento será ainda maior se as pessoas reconhecerem seus propósitos expressos em seus ambientes de trabalho e nas marcas que consomem.

Outro levantamento da pesquisa diz respeito a como as marcas se comportam fora da empresa. 73% dos brasileiros afirmam que os CEOs deveriam promover mudanças em vez de esperar que o governo as imponha. E 61% acreditam que as empresas podem gerar mudanças positivas em relação a preconceito e discriminação. Ou seja: as pessoas buscam representatividade e mudanças nas empresas onde trabalham e de que consomem.

#Pride: empresas comunicam diversidade por engajamento ou por posicionamento?

Recentemente, a Adidas lançou uma campanha protagonizada pela cantora Pablo Vittar para celebrar o orgulho LGBTQA+. Além de uma grande aceitação do público, também houve a parcela que questionou a marca em seu Instagram pela escolha e pela abordagem. A Adidas se prontificou , respondeu a todos os comentários negativos sobre a campanha e explicou que esse é seu posicionamento, independente dos haters.

Nessa conjuntura, temos o óbvio: dentro ou fora da empresa, o preconceito contra homossexuais e transsexuais é considerado um crime equivalente ao racismo. Se sua empresa externaliza nas redes sociais, por exemplo, que abraça causas LGBTQA+, porém “atrás dos palcos” descrimina, não emprega minorias nem as coloca em cargos de confiança, será fiscalizada por seus consumidores e severamente criticada publicamente.

Pink Money

O potencial econômico do público LGBTQA+ movimenta cerca de 917 bilhões de dólares somente nos Estados Unidos (segundo um levantamento de 2016 divulgado pela Organização Mundial do Turismo). Para representar empresas, marcas ou artistas que se utilizam desse potencial para se promover, popularizou-se o termo Pink Money. O blog do Põe na Roda publicou recentemente uma lista com dez marcas, entre elas Riachuelo e Barila, por exemplo, acusadas de usar as causas LGBTQA+ apenas para autopromoção.

A busca é por verdade. Marcas precisam sair da neutralidade e se posicionar frente aos debates e demandas da sociedade. O consumidor quer entender quem são aquelas pessoas com quem ele está se associando quando consome um produto ou entra em uma empresa. Marcas sólidas comunicam mensagens sólidas. O que a sua está comunicando?

Por Nathalie Portela

Gostou do artigo?
Leia mais
O que levar em conta para produzir conteúdo em blogs corporativos

O que levar em conta para produzir conteúdo em blogs corporativos

Sua empresa sabe o que levar em conta para produzir conteúdo em blogs corporativos ? A produção de conteúdo online é uma estratégica de digital valiosa para as empresas ampliarem sua visibilidade e, consequentemente, seus resultados e vendas. Em sua última edição (2018), a pesquisa Content Trends, produzida pela Rock Content, mostrou que 73% das empresas entrevistadas adotam um plano de marketing de conteúdo para suas estratégias de comunicação.

Dentre as empresas que utilizam essa estratégia, segundo a mesma pesquisa, a geração de visitas nesse caso é 2,6 vezes maior que sem aplicação de marketing de conteúdo e a de leads 3,7 vezes maior.  Outro número que chama muita atenção é com relação ao blog corporativo: suas publicações apresentam um grande impacto na média mensal de visitas, ampliando esse alcance em 2 vezes.

E é exatamente sobre a produção de conteúdo para blog corporativo que falaremos um pouco mais neste artigo. Primeiro, precisamos esclarecer que é altamente recomendado que a empresa desenvolva uma estratégia, levando em consideração alguns pontos importantes como público-alvo, periodicidade, expertise e linguagem.

Como aumentar o engajamento do email marketing

É essencial ter em mente qual será o público e como o conteúdo pode agregar e contribuir; definir um cronograma de postagens e cumprir, criando uma regularidade; levar em conta toda a expertise e conhecimento da companhia para oferecer um conteúdo relevante e com autoridade; e prestar atenção na linguagem utilizada de acordo com o negócio e público a ser atingido.

Também vale ressaltar que para produzir conteúdo em blogs corporativos e este ser capaz de atrair e reter a atenção do público, o conteúdo deve ser o mais informativo possível. Não se trata de um material de propaganda e publicitário. O objetivo principal é fazer com que a empresa seja reconhecida por ser uma fonte confiável de informações, gerando, dessa maneira, resultados de forma orgânica ao negócio.

Por Daniela Dálio

Gostou do artigo?
Leia mais
3 dicas para aumentar o engajamento do seu email marketing

Como aumentar o engajamento do email marketing

Você sabe bem qual a importância do email marketing na sua estratégia de conteúdo digital. Essencial na distribuição dos conteúdos, qualificação e nutrição de Leads, muitas vezes é a partir de um bom trabalho nesse formato que você vai influenciar a decisão de compra do seu cliente. Mas se suas as taxas de abertura e de cliques estão caindo, talvez seu conteúdo seja pouco relevante, pouco personalizado e a frequência esteja inadequada. Isso gera um fenômeno que chamamos de fadiga de marca. Aqui vão 3 dicas para te ajudar a evitar isso e aumentar o engajamento dos email marketing.

Estudar o comportamento do usuário e apostar em conteúdos relevantes podem ajudar a alavancar suas métricas de engajamento

  1. Acerte nos assuntos e abordagens

Pense nas intenções do seu Lead. Você conseguiu o email dele por algum motivo, certo? Quais dados ele te ofereceu? O que ele busca se inscrevendo na sua lista? Será que enviar um email apresentando suas novas contratações faz alguma diferença para ele? Um dos erros mais comuns nesse formato é disparar emails com informações institucionais, conquistas da empresa e outras coisas absolutamente irrelevantes para o cliente. É nesse ponto que você começa a se tornar um inconveniente na caixa de entrada dele. Sua marca está ali, sempre aparecendo, mas nunca com relevância. Adivinha o que vai acontecer? Sim, seus emails vão direto para a lixeira, ou seu Lead vai cancelar a inscrição. Ou seja, ninguém está prestando atenção no que você diz. Isso se chama fadiga de marca.

Para evitar que isso aconteça, um bom começo é entender o que esse Lead espera a partir das informações que ele já te ofereceu. Se você tem um e-commerce de vinho e ele se inscreveu na sua lista para saber mais sobre vinhos de entrada, certamente é um bom começo você usar esse dado para segmentar um belo artigo sobre vinhos de entrada para ele. Sua chance de ser notado aumenta e o caminho para mais engajamento é muito mais fácil.

  1. Acerte na frequência

Mesmo mapeando os interesses e informações do seu Lead, será que é mesmo necessário mandar conteúdos todo dia para ele? E mais: você tem tanto assunto assim para destrinchar? Pense no seu próprio email: o que acontece quando você acessa sua caixa de entrada e lá estão vários email marketings de uma mesma empresa? Isso mesmo: lixeira neles! Mesmo que os assuntos mais relevantes para você estejam ali, aquilo tudo virou paisagem. É algo que também se enquadra na tal fadiga de marca.

Dar opções para seu Lead selecionar os assuntos mais relevantes para ele, a periodicidade mais interessante e os dias que prefere receber seus conteúdos são formas de melhorar seu engajamento. A personalização é uma das principais ferramentas para construir um bom relacionamento com seu Lead.

Blogs e sites podem ajudar a vender mais?

 

  1. Note para ser notado

Como tudo no Marketing Digital, os testes devem estar presentes na sua estratégia de email marketing. Experimentar segmentações, horários, novos assuntos, novas abordagens e outras formas de se aproximar do seu Lead são coisas que te fornecerão dados fundamentais para otimizar seu conteúdo e sua frequência para evitar passar batido. Note os comportamentos dos seus Leads, os feedbacks que eles te dão, e a partir disso desenhe uma experiência que seja feita para ele. Isso certamente aumentará seu engajamento e evitará que você passe batido.

Conclusão

Personalização e aprendizado são os caminhos para evitar que o destino do seu conteúdo seja a lixeira e aumentar o engajamento do email marketing. Observar interesses para oferecer as informações que o usuário considera úteis, respeitar a frequência com que ele deseja receber novos conteúdos e testar caminhos para definir uma experiência mais adequada para cada Lead são boas práticas que evitarão que seus e-mail marketings sejam ignorados e alavancarão seu engajamento.

Por Felipe Vaitsman

Gostou do artigo?
Leia mais
5 dicas para começar a usar estratégias de SEO

5 dicas para iniciantes em estratégias de SEO

Se sua empresa ainda está engatinhando nas estratégias de digital e pretende se destacar nos conteúdos online, o segredo é desenvolver boas estratégias de SEO (Search Engine Optimization) e buscar manter o site nas primeiras opções de resultados exibidos pela ferramenta. Mas, se ainda não conhece todos os segredos e acha a otimização de busca algo muito complexo, confira abaixo 5 dicas para iniciantes em estratégias de SEO e alavanque seu site!

Ser relevante dentre as muitas opções que aparecem na busca do Google e outros sites de pesquisa (Bing, Yahoo etc.) é uma tarefa essencial e bastante complexa para estratégias de marketing digital, afinal, quem não é visto, não é lembrado. O posicionamento dos resultados de uma pesquisa nas ferramentas de busca pode ser considerado quase como uma competição, pois os sites disputam entre si o “topo” da lista, como se fosse um pódio. Para tanto, é necessário conseguir rankings cada vez melhores nos sites de pesquisa entre outros muitos sites que podem falar do mesmo assunto que o seu.

  • Palavras-chave

As palavras-chave são o “GPS” para que o site seja localizado. É imprescindível que elas direcionem o público-alvo ao site, e que os usuários fiquem satisfeitos com o conteúdo que encontram. Esse deve ser o primeiro passo de uma estratégia de SEO.

É importante pesquisar quais são as palavras-chave mais utilizadas em buscas sobre o nicho do seu negócio. Isso significa que os termos devem atrair o público-alvo correto para o tipo de conteúdo disponibilizado.

Outro ponto importante é que as palavras-chave apareçam frequentemente no site ou páginas referentes ao assunto, ou seja, deve haver uma otimização entre o conteúdo do site e a ferramenta de busca. Para isto, é necessário criar uma densidade das palavras-chave, ou seja, elas devem ser inseridas em títulos, textos e URL como formas de vincular o conteúdo à busca.

Não é necessário que o termo seja exato (por exemplo, se o seu termo é “dicas para SEO”, pode ser alterado para “dicas de SEO”) e podem ser utilizados sinônimos. Aliás, é positivo criar variações da palavra-chave.

5 dicas para bombar o blog da sua empresa

Parece uma dica banal, mas vale sempre ressaltar que conteúdo de qualidade ganha mais visibilidade. E qualidade significa ser original, escrever bem e falar com propriedade. Copiar conteúdo, além de não ser ético, é passível de punição dos sites de busca.

Além disto, o conteúdo deve ser envolvente e precisa ter como foco as palavras-chave. Perder o “fio da meada” durante sua construção gera perda de interesse ao leitor.

  • URL

Crie URLs curtas e com nomes relacionados à busca. Dessa forma, é mais fácil a identificação do conteúdo e não gera desconfiança. Outro ponto é que links grandes são facilmente vinculados a sites de pouca credibilidade.

  • Meta description

As metas descrições nada mais são que os pequenos textos que aparecem logo abaixo do título na pesquisa do Google (ou outro site de pesquisa). Esse texto precisa falar rapidamente e de forma clara sobre o que se trata o conteúdo que será exibido quando o usuário clicar no link. Parece simples, mas muitas pessoas esquecem desse detalhe e, como a primeira impressão é a que fica, é bom ter cuidado e saber escolher o que aparecerá na descrição para conquistar o público-alvo.

  • Monitore os resultados

Não adianta fazer uma estratégia impecável de SEO e não saber se foi eficaz. Acompanhar os resultados e monitorar como o seu site classifica as palavras-chave são tão importantes quanto o próprio planejamento. Tenha um cronograma de monitoramento e o siga à risca, pois o ranking nas ferramentas de busca leva tempo e precisa de cuidados. Avalie seus erros e acertos e determine um prazo para que suas metas sejam alcançadas. Reavalie sua estratégia se o desempenho não for bom. Lembre-se, ter um site relevante demanda trabalho e requer cuidado e atualizações constantes.

Curtiu as dicas para iniciantes em estratégias de SEO? A Race Comunicação é especialista em produção de conteúdo e pode ajudar a sua empresa a alavancar o site e melhorar as vendas. Venha tomar um café conosco e conhecer mais sobre o assunto!

Por Vanessa Assis

Gostou do artigo?
Leia mais
Blogs e sites podem ajudar a vender mais?

Blogs e sites podem ajudar a vender mais?

Blogs e sites podem ajudar a vender mais? Logo de cara, já podemos afirmar que sim! E para explicar a resposta, devemos primeiro compreender quem está na ponta da comunicação: o público-alvo.

Das constantes e velozes mudanças que o mundo tem enfrentado, um novo tipo de consumidor emergiu. Ele é mais exigente, altamente conectado e possui poderes que há alguns anos eram inimagináveis. Com poucos cliques, é capaz de comparar preços, ler opiniões sobre produtos e ter acesso a experiências de outras pessoas. E caso se aborreça com o atendimento ou serviço adquirido, pode recorrer a um oceano de plataformas para reclamar publicamente.

E tem mais um detalhe: esse consumidor também não gosta de ser interrompido. Seja na leitura de suas notícias, no meio de seus filmes ou por ligações em seu celular, ele detesta abordagens invasivas, precisamente as que o marketing tradicional utiliza para tentar vender coisas para ele. Muitas vezes, o resultado é o oposto do esperado: a pessoa passa a associar o nome da marca ao distúrbio da sua paz. O anúncio assume um aspecto intrusivo, ilegítimo. Afinal, tenta disputar a atenção do usuário com o conteúdo que de fato o atraiu para aquele ambiente – seja o rádio, a TV, internet ou um veículo impresso.

Acontece que nós estamos fugindo de tudo aquilo que não nos interessa. E propagandas indesejadas estão no topo desta lista. É preciso atrair e se relacionar, não bombardear incessantemente. O marketing, mais do nunca, precisa ser consensual.

Este é o ponto em que voltamos à pergunta inicial. Sites e blogs podem ajudar a vender mais? Sim! E o mais importante, sem serem abelhudos.

O segredo está no tipo de conteúdo produzido e na forma de oferecê-lo ao público.

O primeiro passo é identificar a persona, ou seja, personagens criados a partir de comportamentos comuns dos tipos sociais com quem uma marca pretende interagir. É como imaginar um cliente ideal, levando em conta seus gostos, classe social, faixa etária, preferências, aspectos que o desagradam, recorte geográfico, entre outros.

Como a produção de conteúdo se adequa ao seu negócio

Com este perfil traçado, é hora de pensar quais temas têm potencial para atrair este público específico. O que essas pessoas procuram? Por dicas de culinária, curiosidades sobre o universo dos super-heróis, decorações modernas, práticas de yoga, o melhor jeito para dobrar roupas de cama, como concertar uma cadeira ou de que forma lidar com chefes chatos?

É neste ponto que o blog ou o site podem atrair sua atenção. Mas, para isso, devem possuir conteúdo informativo, de qualidade e sempre atualizado. Se a empresa começa a ajudar seu público-alvo, com informações realmente úteis para ele, as chances de transformá-lo em um lead (potencial comprador) é muito maior. Quando o consumidor precisar de algum produto ou serviço do leque da companhia que o auxiliou, com certeza esta empresa estará entre suas primeiras opções.

Somar estratégias de comunicação é essencial para se destacar e converter “estranhos” em clientes e, até mesmo, em promotores de uma marca. Sem dúvida, no contexto de grandes transformações em que vivemos, blogs e sites são ferramentas poderosas para alavancar vendas, pois compartilhar conhecimento gratuito é uma das maneiras mais eficientes de encantar.

Por Thaigo Eid

Gostou do artigo?
Leia mais
Dicas para bombar o blog da sua empresa

5 dicas para bombar o blog da sua empresa

Se você conhece um pouco sobre content marketing, já deve saber que: 1. ele é uma parte essencial da estratégia de uma empresa atualizada e 2. um blog de qualidade para sua empresa pode trazer mais acessos ao seu site e aumentar a sua possibilidade de geração de leads. Mas blogs bombados dificilmente nascem do dia para noite e tão pouco são frutos do acaso – pelo menos não nos dias de hoje onde existem mais de 350 milhões deles disponíveis na rede. No entanto, existem direcionamentos que, se estudados cuidadosamente e seguidos a rigor, podem aumentar a chance da sua empresa ter um blog bastante acessado nas redes. Confira 5 dicas para bombar o blog da sua empresa!

  1. Conteúdo em primeiro lugar

A maioria dos potenciais clientes que virem procurar o blog da sua empresa estarão em busca de uma maneira para resolver um problema e/ou aprender algo sobre alguma questão. O seu conteúdo deve estar preparado desde o momento do planejamento para entregar esses valores.

E por mais que você acredite que seu produto é incrível e a grande solução para diversos problemas, busque seguir uma medida de 80/20 – 80% de conteúdo voltado a agregar valor ao seu visitante através de educação e 20% voltado à sua empresa e seus produtos. Confie em mim, será muito mais valioso você estabelecer seu papel como expert do que apostar em autopromoção.

E é claro que você não vai produzir conteúdo para todos os tipos de perfil. Busque pensar como seus clientes e prospects – quais são os problemas que os levaram a buscar uma empresa como a sua? Essas serão algumas das perguntas que seu blog corporativo poderá se propor a responder.

  1. O que atingir?

Outro ponto que deve ser levantado é o que é um blog bem-sucedido para sua empresa. Afinal, sucesso pode ser medido de diversas maneiras. Você pode almejar mais acessos, maior geração de leads, viralização nas redes sociais, melhor comunicação com seu público e muito mais. Então reflita qual é o objetivo desse blog para que você não desperdice um caminhão de tempo em algo que, no fim, não lhe trará o benefício esperado.

Processos para despertar a criatividade

  1. “A gente se encontra por aí”

Ter um conteúdo de qualidade e que foi idealizado para atingir os objetivos da sua empresa não vai adiantar nada se você postou um texto hoje, o anterior, há dois meses, e o antes desse, na Copa do pentacampeonato. Tenha consistência! Ainda que não seja diariamente, mantenha seu blog atualizado. Poste com frequência para ser lembrado como um blog que contém sempre material fresco e contemporâneo.

No entanto, não esqueça da nossa dica número um. De nada vai adiantar postar com frequência se seu conteúdo não é relevante. Nesse mundo, o conteúdo é rei! E mais, procure não postar textos com muito pouco de intervalo, porque o segundo pode acabar “canibalizando” a relevância do primeiro. Organize o calendário de conteúdo do blog, divida os conteúdos e, ao invés de postar três textos em um dia, poste-os ao longo da semana.

  1. A palavra escrita e além

Reflita se a sua mensagem não pode ser colocada de outras maneiras além do texto. A internet pode oferecer muitas possibilidades, então não tenha medo de ser ousado e criativo. Talvez seja possível passar a informação que você deseja através de um vídeo (que, inclusive, se for embedado diretamente do YouTube, irá promover seu SEOSearch Engine Optimization).

Ou talvez a mensagem precise ser destrinchada e uma análise através de um debate com especialistas seja o que você procura – um conteúdo perfeito para ser desenvolvido em áudio através do formato podcast. Ou talvez você tenha um designer à disposição, e um belo infográfico seja o caminho para esse conteúdo. Enfim, a rede está repleta de oportunidades para quem quer estar fora da caixa.

  1. Blog não é bagunça

Ter um bom conteúdo é muito bom, assim como ter consistência nas suas atualizações. Mas de que vai adiantar tudo isso se o visitante não for capaz de encontrar as informações que ele procura? Por isso, é muito importante ter um blog organizado e simples – às vezes menos é mais.

Aposte em menus e links que ofereçam as palavras chaves daquilo que você pode oferecer de conteúdo no seu blog. Quanto mais rápido o visitante for capaz de encontrar a informação que procura, mais satisfeito ele estará com experiência que você foi capaz de promover.

Essas são algumas dicas para bombar o blog da empresa. Contar com uma ajuda profissional também não faz mal a ninguém, por isso a Race Comunicação está disponível caso queira aprofundar a conversa sobre o assunto. Entre em contato conosco!

Por João Pedro Andrade

Gostou do artigo?
Leia mais
Processos para despertar a criatividade

Processos para despertar a criatividade

Quem trabalha com desafios criativos sabe a importância de estabelecer processos para a despertar a criatividade no dia a dia. Embora isso seja essencial para o andamento do trabalho e o cumprimento de prazos, sabemos que a criatividade e a inspiração passam por desafios e bloqueios mentais. Afinal, quem nunca precisou escrever um texto, ou criar uma arte publicitária, e ficou por minutos – e até horas – encarando a tela do computador, em busca de uma luz? Por isso, precisamos de algumas técnicas para hackear a nossa criatividade.

Poucos sabem que o processo criativo começa muito antes de começar a escrever ou desenhar. Mentes criativas precisam ser estimuladas. Tudo o que recebemos do ambiente externo tem muita influência na organização de tarefas e no surgimento de ideias, das mais banais até às mais inovadoras.

Para isso, precisamos sair da rotina que estabelecemos diariamente, começando com pequenas ações, como fazer um caminho diferente para o trabalho, ir a lugares novos, experimentar um novo prato, meditar ou começar um hobby que você sempre adiou. Partindo para ações que envolvam um tempo e investimento maior: viajar, aprender uma nova língua, fazer um curso. Tudo isso contribui para que a mente se mantenha ativa e pense “fora da caixa”, como muitos gostam de falar.

Perfis corporativos: 5 dicas para acertar nos Stories do Instagram

No entanto, quando o deadline está estourando, a conversa é outra. O prazo é curto, a missão é trabalhosa e a inspiração não vem. Não saber por onde começar é muito comum – como dito anteriormente, nosso cérebro gosta da inércia. E é isso que devemos quebrar em primeiro lugar para desenvolver processos para despertar a criatividade.

Uma dica para esse momento é: comece, sem se importar com o que está criando. Escreva as primeiras palavras que vem à mente, sem se importar se fazem algum sentido (como a técnica de cut up, utilizada por músicos famosos como David Bowie e Kurt Cobain). Depois, junte as frases e transforme-as em parágrafos, ajustando e aperfeiçoando os detalhes do texto, dando sentido a ele.

Outro hack que podemos utilizar antes de começar ou quando estivermos no meio do processo criativo é buscar referências. Roube. Sim, roube! Mas não faça igual. Roube aquela ideia que você achou genial e a transforme em algo melhor, adaptado para a sua realidade. Mantenha uma pasta em seu celular, computador ou no próprio Instagram com suas referências. Afinal, boas ideias são a melhor fonte de inspiração.

A terceira dica é: olhe o problema de fora. Esse é motivo para os famosos brainstorms das agências envolverem, na maioria das vezes, pessoas que não estão envolvidas com a conta. Quando você sai da perspectiva de pessoa inserida no contexto fica mais fácil desenvolver novas estratégias e caminhos para a solução. Quanto mais incorporamos esse modus operandi e pensante no cotidiano, fica cada vez mais fácil deixar a imaginação e a criatividade fluir. E você, o que costuma fazer para fazer da criatividade um processo?

Por Bárbara Christan

Gostou do artigo?
Leia mais

Perfis corporativos: 5 dicas para acertar nos Stories do Instagram

Por Bruno Uehara

Lançada há pouco mais de dois anos, a função Stories do Instagram não parecia tão promissora logo de início. A atualização do aplicativo, que trazia grandes mudanças de layout e funcionalidade, era considerada uma cópia descarada do Snapchat. A medida para bater a concorrente funcionou e, desde então, o Instagram investe em novos atrativos para os usuários, como boomerang, GIFs, enquetes e filtros de realidade aumentada.

De acordo com o Facebook, empresa que controla o Instagram, os Stories contabilizam acessos diários de aproximadamente 500 milhões de pessoas no mundo, o que significa metade da base cadastrada. Os números impressionam, mas quando se trata de perfis corporativos, os posts efêmeros – que ficam disponíveis somente por 24 horas – não parecem tão atrativos. Contudo, ao contrário do que muitos pensam, pesquisas provam justamente o contrário.

Dicas para melhorar perfis corporativos no Instagram

Confira abaixo 5 dicas para acertar nos Stories do Instagram:

  • Segundo a Infobase Interativa, mais de 60% dos anunciantes brasileiros pretendem aumentar os investimentos em publicações nos Stories em 2019, pois geram rápido engajamento e permitem maior alcance através de marcações, hashtags e localização. A ferramenta deve ser aproveitada ao máximo, com transmissões ao vivo e atualizações frequentes nos posts.
  • Usuários visualizam, em média, até 7 Stories por perfil. De acordo com pesquisa da empresa americana Buffer, especializada em marketing digital, as taxas de abertura caem 70% após essa marca. É importante desenvolver estratégias de marketing digital que possam aproveitar esse espaço de forma criativa para não perder engajamento.
  • Contas corporativas não precisam, necessariamente, de superproduções gráficas nos posts. Textos curtos e imagens minimalistas podem ser mais eficientes do que vídeos com efeitos profissionais de edição. Os usuários que visualizam Stories querem conteúdo prático e rápido para ser consumido.
  • O horário comercial tem tudo a ver com os melhores períodos de publicação. Grande parte dos usuários acessa os Stories em quatro principais momentos: ao acordar, a caminho do trabalho, durante o almoço e quando chegam em casa. Segundo a Buffer, as faixas de horário com maior potencial de impacto são: 4h-6h, 8h-10h, 12h-14h e 20h-22h.
  • Vai planejar uma série de posts nos Stories? Então a primeira publicação precisa ser a que mais atrai atenção. Parece óbvio, mas as maiores taxas de desinteresse se encontram no primeiro post. Para manter engajamento, é importante criar “links” com postagens complementares, estimulando a interação com os seguidores por meio de enquetes, por exemplo.
Gostou do artigo?
Leia mais

Comunicação intercultural: como se conectar com diferentes mercados?

Por Thamyris Barbora

Jogue a primeira pedra quem nunca teve uma mensagem interpretada de maneira equivocada por alguém. Diferentes experiências, linguagens, referências e costumes, geralmente, são os causadores de mal-entendidos assim. E se isso já acontece com pessoas que compartilham a mesma cultura e idioma, imagine em uma comunicação intercultural.

Pensando em uma relação entre empresa e clientes de outras nacionalidades, é muito importante que haja uma conexão verdadeira para a comunicação eficaz. Por isso, uma imersão nos costumes dopúblico-alvo é fundamental. É o caso da marca europeia de cosméticos, Vitaker. Sediada no Reino Unido, a empresa utiliza a tecnologia e recursos brasileiros para manufaturar produtos que são vendidos no leste europeu.

Dirigida por Priscila Pereira, a Vitaker conta principalmente com profissionais brasileiros para desenvolver fórmulas para os cabelos de russas, romenas e lituanas – três das principais consumidoras da marca no mundo. O contraponto é que, enquanto no Brasil muito se fala em assumir as madeixas encaracoladas, no leste europeu o momento é de alisar. Por isso, entender o momento de cada um é tão necessário para a aproximação com o público e sucesso da marca.

Comunicação integrada: redundância do século XXI

Para mais engajamento nas ações, algumas dicas podem ajudar a entrar no universo desse consumidor(a). Veja abaixo algumas ideias para estreitar essa relação:

Idioma na ponta da língua

Esse é o primeiro e um dos mais importantes passos para chegar ao seu cliente estrangeiro. É preciso não apenas dominar, mas estar sempre informado sobre expressões e até gírias mais adequadas para o mercado que se deseja alcançar. No blog da Vitaker, com conteúdo todo em inglês, é primordial se apropriar de expressões típicas do mundo da beleza. Confira as “beauty tips” da marca!

Imersão cultural

Hábitos alimentares, rotina, política, tradições e tudo o que for possível saber sobre o público-alvo ainda será pouco. Um mergulho na cultura é o único caminho capaz de fazer com que você chegue até seu cliente. Entenda como se portar e pensar como um deles para que sua empresa seja conhecida e reconhecida. Não adianta falar sobre cuidados com os cabelos no verão para pessoas que vivem a maior parte do ano com temperaturas na casa dos 5°C.

Não sabe? Pergunte!

Pesquise não só na internet, mas procure conversar com pessoas reais. Clientes e não-clientes. Peça feedback sobre os conteúdos. Só com a ajuda dessas pessoas será possível entender a fundo algumas questões culturais. E, nessas horas, as redes sociais podem ajudar muito. A Vitaker é uma marca engajada com seu público tanto no Facebook quanto no Instagram. Lá, são compartilhadas as experiências de usuárias, dicas de produtos e opiniões gerais para o direcionamentos da comunicação.

 

 

Gostou do artigo?
Leia mais