INSIGHTS

Primeiros passos em gerenciamento da comunicação interna

Por Ana Carolina

A comunicação interna é fundamental para o bom desenvolvimento de uma organização. Há vários aspectos importantes que devem ser geridos com cuidado para assegurar que a mesma cumpra de fato seu papel, sendo o principal deles, o diálogo entre liderança e liderados.

Primeiramente, é preciso estabelecer a importância dos gestores no processo de endocomunicação. Eles são os responsáveis por implementar uma gestão cada vez mais próxima e humanizada, que favoreça a participação e a troca de ideias.

A qualidade da comunicação interna também depende muito da abrangência dos canais utilizados, ou seja, é fundamental entender quais ferramentas são mais eficientes de acordo com o funcionamento da organização. Assim, é importante avaliar e aperfeiçoar os meios atuais, atento ao bem-estar do público e, se possível. apostando em soluções modernas e práticas.

Outro ponto a ser analisado é a adequação da linguagem para cada público específico, garantindo que a mensagem seja compreendida claramente e respeitando o sigilo de algumas informações. O conteúdo também precisa ser útil e de fácil absorção. Além disso, a frequência, o formato e o objetivo de cada divulgação devem ser observados, evitando a divulgação de conteúdos desnecessários.

A endocomunicação funciona também como um complemento às atividades de endomarketing, treinamento e desenvolvimento profissional. Por meio dos canais corporativos de comunicação é possível garantir que todos os colaboradores conheçam as oportunidades dentro da organização o que contribui positivamente no clima organizacional, incentivando a criatividade e o aprendizado.

Sendo assim, é fácil perceber a importância de uma comunicação interna dinâmica e bem planejada com o objetivo de eliminar barreiras, conectar colaboradores e garantir o desenvolvimento da organização.

Gostou do artigo?
Leia mais

Marketing Digital: a importância das cores

Por Rodolfo Zanchim

Você já pensou em quantos fatores são necessários para posicionar uma marca em um ambiente digital? Muitos, como o conteúdo, a linguagem, o formato – texto, vídeo, áudio –, entre outros. E junto a isso, há mais uma coisa que precisa ser levada em consideração: as cores!

Caso você esteja “correndo” a sua timeline no Facebook, por exemplo, e passa por uma imagem de uma família sentada na mesa de jantar com muitos elementos vermelhos, você instintivamente deve se lembrar da Coca-Cola. Preste atenção na próxima vez! Praticamente todas as marcas seguem um padrão de cores, como o Itaú e a cor laranja, o Starbucks e o verde, o Facebook e a Nasa e o azul, etc.

 

Psicologia das Cores x Marketing Digital

Há estudos que demonstram de que forma as cores são interpretadas pelo cérebro humano e qual a sensação que cada uma proporciona, esta é a Psicologia das Cores, como o branco e a sensação de tranquilidade e higiene, o preto que representa força e o vermelho que além da paixão, pode ser relacionado à fome.

Em estudo realizado pela Quick Sprout, 85% dos compradores afirmam que a cor é o principal motivo para comprar um determinado produto. Além disso, a cor aumenta o reconhecimento da marca em até 80% – fato que está estritamente ligado à confiança do consumidor.

Confira abaixo a relação de cores e suas percepções, e algumas marcas que as utilizam:

Caso precise de ajuda para identificar quais as melhores cores para a sua marca, a nossa equipe de Marketing Digital está pronta para te ajudar. Entre em contato conosco.

Gostou do artigo?
Leia mais

Boa comunicação pode garantir o sucesso do e-commerce

Por Evelyn Spada

Vivemos em uma era de aceleradas mudanças. A tecnologia, a todo instante, apresenta novas formas e opções para realizar as mais distintas tarefas, de maneira mais produtiva e cômoda. Uma loja virtual de sucesso não surge do dia pra noite, é necessário acompanhar as transformações e corresponder à expectativa de seu usuário.

Não é só de preço competitivo que vive uma loja. É necessário ter uma plataforma otimizada, produtos com claras descrições e fácil navegabilidade. Garantir que o visitante da loja realize tarefas com menor esforço gera uma experiência agradável, a interação produtiva entre o usuário e o sistema pode conquistar o usuário já na primeira visita, ou seja, é preciso investir na usabilidade.

Produtos e informações já surgem antiquados, com data e hora marcada para desaparecer. Ampliar as opções de pagamento, apostar no frete grátis, garantir produtos no estoque e não atrasar entregas são maneiras de agradar o cliente.

É muito importante que a empresa tenha conhecimento do mercado que vai atuar, dos concorrentes e principalmente do público que quer atingir. Um benchmark bem feito é capaz de auxiliar no sucesso e prevenir prejuízos no futuro.

Para conquistar o sucesso da loja virtual é necessário observar todos os números que as ferramentas podem oferecer. A taxa de conversão, por exemplo, é a métrica utilizada para gerenciar o desenvolvimento das campanhas. Em linhas gerais, é a relação entre o número de visitantes no site dividido pelo número de compras realizadas no mesmo período, e por fim, multiplica-lo por 100 para ter a taxa em percentual. A taxa de conversão pode dizer muito sobre a performance da loja. É possível identificar qual campanha gerou mais vendas em relação ao tráfego gerado.

Gostou do artigo?
Leia mais

O que falar ou não da sua empresa?

Por Leydiane Alves

Como sabemos e já ouvimos muito falar, a imagem que você passa da sua empresa diz muito sobre ela. Saber se posicionar bem diante de seus clientes e até mesmo da concorrência é tarefa fundamental para se destacar no mercado. E não é apenas saber falar dos pontos positivos do seu negócio. É mostrar a que veio e quais os seus diferenciais. Mas a dúvida é o que devemos ou não falar da empresa?

Estudos da área do marketing mostram que a redundância prejudica na hora de apresentar seu negócio, ou seja, não mostre o que é obvio demais, não perca tempo sendo redundante, isso pode dar a sensação de estar subestimando o seu cliente.

O primeiro passo é apresentar os pontos mais importantes da sua empresa. O objetivo é fazer com que a pessoa se interesse pelo assunto a ponto de buscar mais informações sobre o negócio.

Outra estratégia positiva é saber destacar as vantagens de ser cliente ou parceiro de sua empresa. Fale dos diferenciais oferecidos pela sua marca, mostre que vocês vieram para solucionar problemas, preencher lacunas e fazer a diferença na área que vocês atuam.

Tenha em mãos dados que comprovem a sua eficiência e saiba destacar resultados positivos obtidos por trabalhos realizados pela sua empresa.

Por último tenha postura e firmeza nas palavras no momento de apresentar sua empresa. Cuide de sua aparência, nunca se apresente de forma desleixada ou exagerada. Uma pesquisa da Universidade da Califórnia mostra que quatro minutos é o tempo que uma pessoa leva para formar as primeiras impressões sobre a outra. Segundo os números, 55% do bom ou do mau conceito toma por base a linguagem corporal, 38% dependem do tom de voz e apenas 7% se relacionam ao que foi dito.

 

Gostou do artigo?
Leia mais

Planejamento estratégico com influenciadores digitais

Por Bruno Uehara

Ao contrário do que muitos imaginam, o trabalho de assessores de comunicação não envolve somente o envio de press releases e notas oficiais à imprensa. Além do relacionamento com jornalistas, esses profissionais também são responsáveis por organizar ações e eventos com outro público importante: os influenciadores digitais – também conhecidos como formadores de opinião ou blogueiros. Cobiçados por muitas empresas, eles superaram a imagem de meras celebridades da internet e conquistaram o posto de stakeholders estratégicos.

 

Capazes de impactar até milhões de pessoas com um único post nas redes sociais, os influenciadores podem parecer um meio fácil para divulgar marcas ou produtos. Mas, ao contrário do que parece, é preciso elaborar planejamentos estratégicos para emplacar posts em suas redes sociais. Antes de envolver influenciadores em qualquer tipo de ação, como envio de press kits ou convite para eventos, é importante analisar o público com o qual se comunicam e quais temas são pertinentes a cada perfil. Por exemplo, um blog especializado em moda pode não ser indicado para divulgação relacionada a uma empresa de tecnologia.

 

As agências de comunicação, com expertise sobre influenciadores dos mais diversos segmentos, têm a tarefa de orientar seus clientes com mailings personalizados para cada campanha – seja com foco em tema, faixa etária, região ou qualquer outro assunto específico. Nem sempre blogueiros influentes são os mais acessíveis, já que muitos estão em evidência e podem cobrar altos cachês por um único post no Instagram. Nestes casos, também é possível optar por “microinfluenciadores”, que possuem a capacidade de gerar alto engajamento com quantidade menor de seguidores.

 

Com a geração de Millenials em alta e o surgimento de novas tecnologias, as assessorias de comunicação precisam acompanhar essas transformações que podem gerar oportunidades cada vez mais estratégicas para empresas. Redes sociais como Facebook, Instagram e YouTube podem não ser as ferramentas mais eficazes em um futuro próximo – basta analisar o curto período em que o Snapchat tornou-se obsoleto. A tendência é que os influenciadores digitais migrem apenas para outras plataformas, mas sua relevância deve se manter intacta como um canal capaz de dialogar diretamente com o público.

Gostou do artigo?
Leia mais

A importância das redes sociais na construção e sustentação das marcas de sucesso

Por Ludmilla Gutierrez

 

De acordo com projeções realizadas pelo instituto Euromonitor International, a cada semana, 3,5 milhões pessoas adicionais estarão online em todo o mundo ao longo de 2017. Nesse ritmo, ao final do ano serão mais de 168 milhões de novos internautas que passaram a se relacionar, se expressar, buscar informações, entretenimento e até fazer compras pela internet.

 

Segundo pesquisa da Dimensional Research nos EUA, 88% dos entrevistados confirmaram que no momento da escolha por determinada marca são influenciados pela opinião daqueles que consomem tal marca. Ou seja, redes sociais, fóruns de debate online e comentários de leitores nos mais diversos sites são ferramentas unem e dão voz aos consumidores.

 

Os dados explicitam a relevância da comunicação online, especialmente nas redes sociais, e a importância das empresas considerá-las nas estratégias de comunicação. Uma gestão eficiente das redes sociais dá suporte ao marketing, evita crises de imagem e ainda aproxima a marca de seus consumidores.

 

Uma das grandes vantagens das campanhas nas redes sociais é a segmentação de público. Os links patrocinados no Facebook, por exemplo, permitem filtrar o público alvo e direcionar conteúdo apenas para interessados nas páginas e assuntos relativos aos serviços e produtos que se pretende divulgar.

 

Outra conveniência é a possibilidade de monitorar a audiência. As ferramentas permitem saber em que horário há mais público online, filtrar o tipo de interação estabelecida com a página, classificar comentários como positivos, neutros ou negativos, e, baseado nos resultados fazer ajustes para melhorar performance.

 

Atuar nas redes sociais com foco em aumentar o engajamento, fazer anúncios com frequência, ter identidade visual, linha editorial coerente e, principalmente, oferecer conteúdo de qualidade, conectado com a marca, seus valores e público alvo, são vitais para cativar o consumidor no contexto em que vivemos, descrito pelo sociólogo Zygmunt Bauman, como tempos líquidos, um mundo de incertezas, em que nada é para durar.

 

Gostou do artigo?
Leia mais

O que é conteúdo de qualidade?

Por João Pedro Andrade

A comunicação corporativa está se tornando rapidamente um ambiente cada vez mais complexo e conectado. Nesse universo, o conteúdo de qualidade é quem manda. É ele quem vai ser o responsável por tornar sua empresa, sua campanha ou seu site relevantes – e fará com que as pessoas retornem a você.

Mas como produzir algum material relevante sem cair em armadilhas? Apesar do conceito de qualidade ser um tanto subjetivo, há alguns direcionamentos que podem auxiliar a encontrar o caminho.

Devemos partir do princípio que o bom conteúdo tem que ser bem escrito. Precisa ser claro e harmônico. Isso significa que é necessária uma ligação entre as ideias expostas. É importante elaborar a explicação dos conceitos de modo lógico, para que as informações complementem umas às outras.

É importante conhecer seu público e saber o que desperta a atenção deles. Quais são seus problemas e seus desejos? Se não sabe, descubra. As melhores empresas sabem com quem estão falando e direcionam sua comunicação para o público certo e da forma mais adequada.

Além disso, saber quem é seu público irá auxiliar na escolha do tipo de linguagem que será utilizada. Um vocabulário familiar tem mais chances de atingir uma resposta conveniente do que aquele que é estranho.

E é importante lembrar que mais conteúdo não necessariamente significa conteúdo melhor – por isso, objetividade. Gramática impecável é outro requisito básico. Dificilmente iremos encontrar um material tão bom que supere erros de português ou de digitação.

Se estiver na dúvida se seu conteúdo tem qualidade ou não, pergunte a si mesmo: “eu teria prazer em ler esse material? Por quê?” ou “essa informação está auxiliando meus usuários? Ela representa os valores da minha empresa?” Se sua resposta for satisfatória, você deverá estar no caminho certo.

Gostou do artigo?
Leia mais

Vídeo release: nova tendência de mercado?

Por Filipe Andrade

A comunicação está mudando e, junto com ela, mudam as formas de fazer jornalismo e assessoria de imprensa. Um dos pontos dessas mudanças é que hoje há uma demanda muito maior de profissionais multimídia.

Outro fator é que, com o boom da internet, as redações tradicionais (impresso e TV, por exemplo) e a assessoria de imprensa mudam suas dinâmicas de trabalho. Hoje, exige-se do assessor um papel que é muito mais de produtor de conteúdo (assunto que, inclusive, já abordamos aqui no blog).

Dentro desse papel, o vídeo release torna-se uma ferramenta com forte potencial, apesar de ainda ser pouco utilizado.

Isso se deve a alguns fatores.

  1. É prático. Mais que um “simples” texto com foto, o vídeo release traz um conjunto de soluções para os jornalistas. Pode ser utilizado na internet, na TV e aproveitado no jornalismo impresso e no rádio.

 

  1. Os repórteres agradecem. As redações, cada vez mais enxutas, podem trabalhar melhor as pautas enviadas pelo assessor de imprensa, sem precisar, necessariamente, enviar uma equipe para repercutir o assunto. Em tese, tudo o que o repórter precisa está (e deve estar) no vídeo release.

 

  1. Em 2019, 80% do tráfego de internet será de vídeos, segundo o YouTube. Ou seja, em uma sociedade onde o fluxo de informações cresce em um ritmo acelerado, as soluções precisam estar em sintonia com esse cenário.

 

IMPORTANTE! Para que seu vídeo release seja bem aproveitado…

  1. Seja objetivo. Transmita sua mensagem de forma clara e direta.

 

  1. Ofereça soluções. Entregue ao repórter não só aquilo que ele precisa, mas aquilo que ele pode precisar, mas ainda não sabe. Se antecipe.

 

  1. Ofereça um conteúdo completo. Sim, é possível oferecer boas informações de forma objetiva. Disponibilize fontes e informações relevantes, não apenas da organização que você assessora. Contextualize sua informação.

 

  1. Invista em uma ‘Sala de Imprensa’. Mais que enviar o vídeo release às redações, é fundamental disponibilizar um canal onde o repórter sempre poderá acessar as informações sempre que quiser ou precisar. Procure conhecer também as plataformas de comunicação colaborativa e invista nessas ferramentas.

 

  1. Qualidade é tudo. Invista em equipamentos modernos, numa edição bem feita e numa produção bem elaborada. Nada de improvisos. Planeje-se!
Gostou do artigo?
Leia mais

Como identificar problemas de comunicação corporativa?

Por Carlos Massarico

Melhorar o processo de comunicação de uma empresa tem sido uma das mais relevantes demandas de instituições e companhias nos últimos anos, sejam elas de pequeno, médio ou grande portes. Novas metodologias para incrementar a eficiência financeira destacam a importância de uma boa comunicação, tanto com o público interno quanto externo. E ao contrário do que era visto como prática comum, hoje simplesmente adquirir um “pacotão fechado” com uma agência de comunicação, sem de fato identificar os problemas e ruídos da comunicação, pode gerar resultados abaixo do que foi inicialmente esperado.

É altamente recomendável entender claramente o que a empresa realmente precisa quando fala em comunicação. Para isso, é possível realizar, por meio de pesquisas, estudos, avaliações in loco e entrevistas, a consultoria ou diagnóstico de comunicação, trabalho este que vai a fundo de fato nas reais necessidades de uma empresa e na identificação do atual cenário – o que aumenta as chances de os investimentos nessa área serem muito mais eficazes.

Hoje, o trabalho de consultoria ou diagnóstico de comunicação é essencial para a definição de melhores estratégias de comunicação de uma empresa ou negócio. Seu objetivo consiste em determinar quais são as demandas e as soluções mais adequadas para cada tipo de ação que se pretende realizar. Com isso, é possível compreender o atual estágio de maturidade da comunicação de uma empresa e, desta forma, apresentar quais são as ações necessárias para aumentar a eficiência deste importante setor da empresa.

Resumindo, é uma forma de entender o que está correto e o que precisa mudar para tornar a comunicação de uma empresa muito mais assertiva e bem sucedida. Como resultados deste trabalho, é possível direcionar os esforços de equipes e profissionais para áreas mais carentes ou necessidades mais urgentes, impulsionar o sucesso de campanhas e ações de divulgação e revitalizar marcas e metodologias de comunicação dentro de empresas.

A Race tem larga experiência na elaboração de diagnósticos de comunicação para empresas. Clique aqui para conhecer nossa gama de serviços e entre em contato conosco para tirar dúvidas e saber se este serviço é interessante para seu negócio.

Gostou do artigo?
Leia mais

O que é publieditorial? Para que serve e como pode ajudar sua empresa?

Por Ana Carolina

O publieditorial, também conhecido como informe-publicitário, publispot ou advertorial, é mais uma ferramenta de marketing que utiliza as postagens em blogs para divulgação de um produto, ou serviço de uma empresa.

Independente do nome, o funcionamento é o mesmo. O publieditorial é um post pago, e sua vantagem em relação ao anúncio é o fato de ser mais aprofundado, inserindo a empresa dentro de um contexto, criando uma história que valoriza a organização e fortalece a imagem e o relacionamento com o público.

Há duas maneiras de fazer um advertorial. A organização interessada pode procurar o responsável pelo blog ou site, ou ainda em alguns casos os blogueiros procuram as empresas que oferecem o produto ou serviço que será falado na publicação.

Alguns detalhes também precisam ser acertados sobre a forma como o publispot será feito. Várias abordagens podem ser adotadas, em alguns casos, é divulgado apenas o nome da empresa, ou então uma nova campanha, ou ainda o lançamento de um novo produto.

É importante ressaltar também que os publieditoriais são sinalizados de alguma forma para o leitor, na maioria das vezes no final do texto de uma forma bem discreta.

Uma das grandes vantagens é o público! Primeiramente, os leitores do blog já são um público formado que terá acesso a sua informação. Eles estarão fazendo suas leituras cotidianas, e encontraram em uma publicação informações sobre sua organização.

Segundo, você terá certeza que está atingindo o público certo, pois são pessoas que se interessaram em ler aquele conteúdo que está vinculado de alguma forma a sua empresa e ao que você está querendo divulgar. Resultado, fortalecimento de imagem e relacionamento com o público.

 

Gostou do artigo?
Leia mais